Minha citação

Um povo sem livros é como um míope sem óculos.

Um esforço conjunto dos CRBs (Conselhos Regionais de Biblioteconomia), ao lado do CFB (Conselho Federal de Biblioteconomia) e do MEC é necessário para que seja implementada uma política do livro no Brasil. Mas pensar na política não é suficiente: pensar no usuário é mais importante, pois ele será atingido por essa política.

Assim, deve-se estabelecer o perfil dos usuários que se pretende atingir. Crianças da rede pública de ensino? Usuários das bibliotecas públicas? Estudantes? Pesquisadores?

Espera-se que essa idéia seja um princípio de algo que possa contribuir para a difusão da leitura. Afinal, a leitura é necessária para estimular o gosto pelo conhecimento, que é infinito e só pode morrer se o leitor deixar. O livro não deve ser uma muleta, mas um instrumento que permita ao leitor enxergar o mundo que o envolve com outros olhos, tal como o óculos para o míope.

Biblioteca…

…não dá voto.

… não está incluída em pacotes turísticos.

… é pouquíssimo utilizada.

… no Brasil está tecnologicamente defasada.

… carece de bibliotecários formados.

… carece de funcionários qualificados.

Esse é o triste mundo bibliotecário.

Reflexões

As bibliotecas são pouco freqüentadas. Isso é um fato. Apesar disso, indicadores recentes mostram que o brasileiro está lendo mais. As imagens de crianças em feiras de livros, folheando-os, confirma essa situação? Não.

Quais brasileiros estão lendo mais? Os adultos e as crianças que freqüentam feiras de livros, sebos, livrarias de shoppings? Se for, e provavelmente é, isso é bom, mas preocupante proque desconsidera a maior parte da população que sequer tem dinheiro suficiente para suprir suas necessidades básicas, como alimentação e saúde.

As bibliotecas também têm culpa nisso. Poderiam exigir mais dos governos, em todas as esferas, para que tivessem funcionários qualificados e preparados para atender seus usuários. Com poucos recursos e muitas vezes deixadas em segundo plano, inclusive em escolas particulares, ocorre o que se verificou no início do ano com algumas bibliotecas públicas de São Paulo: seu fechamento, seja por falta de uso, seja por falta de vontade política em mantê-las.