Bibliotecário: crie seu site com domínio .bib!

A partir de 20/07/20, às 19h00, o Registro.br disponibilizará domínios novos nas categorias “genérico” e “profissionais liberais”.

A boa notícia é: será disponibilizado o domínio BIB.BR para Bibliotecários / Biblioteconomistas!

Se você pretende criar um site, seja para divulgar seu trabalho ou oferecer serviços, é uma boa dica para registrar seu domínio e começar seu próprio site!

Processo seletivo para Bibliotecário no INCOR da FMUSP

O Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) está com processo seletivo aberto para contratação de bibliotecário.

SALÁRIO: R$ 3.903,17
BENEFÍCIOS: Vale Transporte, VR (R$ 360,00) e VA (R$ 121,26)

As inscrições estão abertas de 24/06/20 a 08/07/20 e podem ser feitas aqui.

Para mais informações, acesse o site do INCOR da FMUSP.

AMBAC – Publicação “Diretrizes para a reabertura de bibliotecas em face da emergência de saúde devido à COVID-19”

Fonte: AMBAC

Informamos que as “Diretrizes para a reabertura de bibliotecas em face da emergência de saúde devido à COVID-19” estão agora disponíveis para consulta. Este documento é o resultado de um processo de pesquisa de gabinete, pesquisa em bancos de dados bibliográficos de literatura especializada, revisão de literatura e apresentações oferecidas pelos especialistas que participaram dos diferentes webinars que a Associação Mexicana de Bibliotecários organizou em torno da pandemia da COVID-19. O trabalho está disponível no site da Associação para consulta. Se você é um associado, pode solicitá-lo no formato de impressão.

Tradução livre de e-mail recebido da AMBAC em 12 junho de 2020.

Bibliotecas acadêmicas do futuro: cenários além de 2020

Fonte: SCONUL

O projeto “Bibliotecas Acadêmicas do Futuro” (LotF) desenvolveu três cenários que descrevem possíveis futuros para bibliotecas de ensino, acadêmicas e de pesquisa no Reino Unido em algum momento além de 2020, particularmente no contexto da mudança do cenário acadêmico e tecnológico. Os cenários ajudarão as Instituições de Ensino Superior (IES) e outras organizações a encarar os desafios enfrentados sob uma nova perspectiva e a formular estratégias para garantir que o setor continue a liderando uma força global.

As bibliotecas são fundamentais para o aprendizado acadêmico, ensino e pesquisa. No entanto, o mundo é, e continuará sendo, um lugar em constante mudança. As incertezas para o futuro a longo prazo incluem: como o Ensino Superior (ES) do Reino Unido será financiado e operado; como as informações serão criadas, descobertas, acessadas e gerenciadas; como o aprendizado, o ensino e a pesquisa evoluirão para tirar o máximo proveito das melhorias na Tecnologia da Informação e Comunicações (TIC); as necessidades de informações dos usuários para aprendizado, ensino e pesquisa, economia do conhecimento e estudantes e pesquisadores como “consumidores”. A questão fundamental é como planejar as bibliotecas para enfrentar esses desafios potencialmente perturbadores.

Este documento descreve os três cenários desenvolvidos no LotF e fornece uma comparação estruturada dos cenários que se concentra nos aspectos da biblioteca. Destina-se àqueles que desejam entender e usar os cenários para o planejamento estratégico.

***

Esse texto é uma tradução livre do original publicado no Global Trends & Future Scenarios.

Trata-se de um resumo do relatório Scenarios beyond 2020, publicado pela Society of College, National and University Libraries (SCONUL) em 2011.

Bibliotecas do Senado e da Câmara promovem ‘live’ para divulgar acervos digitais

  • Biblioteca Acadêmico Luiz Viana Filho  A Biblioteca do Senado Federal foi criada em 18 de maio de 1826. À época, o Senado Federal chamava-se "Câmara dos Senadores do Império do Brasil" e a biblioteca, "Livraria do Senado". Com a mudança da capital da República, em 1960, a Biblioteca foi transferida, em 1961, para o Palácio do Congresso Nacional, em Brasília.  Em 2006, foi criada a Biblioteca Digital do Senado Federal (BDSF), com a função de armazenar, preservar, divulgar e possibilitar o acesso ao texto integral das publicações do Senado Federal à produção intelectual dos servidores da Casa e a outros documentos de interesse do Poder Legislativo.  Escultura de Luiz Viana Filho.  Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Biblioteca do Senado está fechada fisicamente desde o início da pandemia. Evento on-line em parceria com a Biblioteca da Câmara possibilita que usuários continuem acessando o acervo pela internet
Roque de Sá/Agência Senado

As bibliotecas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados promoveram a primeira live da iniciativa Parlabiblio, que pretende apresentar ao público os serviços e produtos on-line disponíveis nas duas Casas legislativas. O evento reuniu, na quarta-feira (10), os bibliotecários Osmar Arouck, do Senado, e Raphael Cavalcante, da Câmara, para discutir os acervos virtuais disponíveis ao público.

Conforme Arouck, desde o início do isolamento social houve um crescimento de 97% na média mensal de 100 mil acessos da Biblioteca do Senado. Ele acredita que a variedade de itens à disposição das pessoas atraiu atenção para os meios digitais e a tendência é, mesmo após o fim da pandemia do novo coronavírus, isso se manter, avalia.

— Temos publicações digitalizadas por não mais terem direito autoral que impeçam essa transição, mas existem títulos com edições nossas que temos direito de veicular em meio digital apesar de serem recentes. Então há riqueza do que podemos divulgar a nossos usuários. A biblioteca está fechada fisicamente, mas muito ativa no papel que pode desempenhar, particularmente em relação ao Parlamento brasileiro — explicou o bibliotecário.

Raphael Cavalcante afirmou que, no caso da Câmara dos Deputados, os campeões de procura são a Constituição Federal e o Regimento Interno da Casa, consultado não apenas pelos parlamentares e seus assessores, mas por estudantes de concursos públicos. Ele destaca, contudo, que o acervo digital conta com cerca de 600 obras consideradas raras e também valiosas para pesquisadores.

— É um material rico e com acesso possível nesses tempos de isolamento social preventivo. Outro volume muito acessado é o Prazer de Ler, da editora da Câmara, que disponibiliza clássicos da literatura em domínio público. Esse tipo de produto tem bastante procura — diz o servidor.

O conteúdo e as lives podem ser acompanhadas pelos canais @biblioteca.senado e @biblioteca.camara, no Instagram. O material ficará armazenado no IGTV dos perfis para ser consultado a qualquer momento.

Fonte: Agência Senado

Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/06/12/bibliotecas-do-senado-e-da-camara-promovem-live-para-divulgar-acervos-digitais. Acesso em: 13 jun. 2020.

Drones apoiados pelo Google lançam livros da biblioteca para que crianças na Virgínia possam ler seus livros de verão

A Wing, empresa irmã do gigante da tecnologia, entregará livros a estudantes no Distrito Escolar do Condado de Montgomery.

Fonte: https://www.washingtonpost.com/technology/2020/06/10/wing-library-book-drone-delivery/

Kelly Passek pensou em uma maneira de fazer as crianças lerem neste verão: entregar livros da biblioteca por drone.

Passek, uma bibliotecária do ensino médio, foi uma das primeiras clientes de um serviço de entrega de drones lançado em Christiansburg, Virgínia , no ano passado pela Wing, uma empresa de propriedade da controladora do Google, Alphabet. Depois de ver a rapidez com que seus utensílios domésticos e refeições eram entregues, ela solicitou à empresa que também entregasse livros da biblioteca. A empresa disse que sim, e os primeiros livros saem esta semana.

“Acho que as crianças ficarão emocionadas ao saber que serão as primeiras do mundo a receber um livro da biblioteca por drone”, disse Passek, que trabalha nas Escolas Públicas do Condado de Montgomery.

Leia a notícia completa em inglês, Google-backed drones will drop library books so kids in Virginia can do their summer reading, de autoria de Rachel Lerman e publicada no Washington Post.

Itaú Social oferta curso EAD de infâncias e leituras

Crédito: divulgação

Curso gratuito possui 20 horas de formação com certificado

O polo de desenvolvimento educacional, Itaú Social, está ofertando o curso EAD de Infâncias e Leituras, que tem como objetivo incentivar as práticas de leitura do adulto para com a criança, fortalecendo a participação dos pais na educação dos filhos desde a infância.

O curso tem 20 horas de duração e está dividido nos seguintes módulos; Leitores e Leituras; Arte e palavra na primeira infância; O papel dos mediadores: pontes entre livros e leitura; Construindo uma biblioteca para a primeira infância. O público-alvo do curso são professores, gestores, equipes pedagógicas e demais interessados na área.

Para mais informações, acesse: itau.com.br/crianca

Disponível em: https://crb6.org.br/artigos-materias-e-entrevistas/itau-social-oferta-curso-ead-de-infancias-e-leituras/. Acesso em: 8 jun. 2020.

Estudo mapeia o consumo de informações e novos hábitos de cada geração durante a pandemia

Confira:

Levantamento feito pela ioasys analisou as mudanças de hábito do brasileiro e descobriu que as pessoas gastam, em média, quatro horas por dia nas redes sociais

A ioasys, empresa especializada em transformação digital ágil, apresenta uma pesquisa inédita sobre as mudanças de hábitos de comportamento e consumo dos brasileiros durante a pandemia, com a participação de mais de 1300 pessoas de 13 a 81 anos de todos os estados do Brasil e classes sociais.

O estudo revelou os hábitos digitais que as gerações têm ganhado durante esse período com a frequente aceleração da transformação digital. A Geração Z, por exemplo, tem usado a internet principalmente para assistir vídeos online (84,2%), séries e filmes (84,2%) e ouvir música (82,4%). É o grupo que mais têm assistido a Webinar e Videoaulas (56,1%). Mas a pesquisa revelou também que apenas 38,5% estão seguindo as recomendações de isolamento social à risca 100% do tempo.

Já os Millenials (21 a 35 anos) são quem têm mais assistido às lives em redes sociais (58,2%). Apenas 29% ouvem podcasts. Metade deles jogam online, assistem cursos digitais e procuram por notícias. Enquanto a Geração X (36 a 55 anos) tem se dividido entre assistir séries e filmes (73,4%), vídeos online (63,2%) e ouvir músicas (55,4%). Apenas 30% se interessam por memes e vídeos engraçados.

O isolamento fez com que muitas famílias passassem a conviver de maneira mais próxima, ainda que digitalmente, e gerações diferentes passaram a compartilhar essas novas experiências. Por isso, no geral, os hábitos digitais entre as gerações possuem um grau de variação menor do que muitos imaginam. Os Boomers têm utilizado a internet para assistir a filmes e séries (51,1%), ouvir música (46,6%), assistir vídeos (45,8%) e fazer vídeo chamadas com amigos e família (45,1%).

Tudo está conectado

No geral, as pessoas têm passado, em média, quatro horas por dia conectadas com mídias sociais durante a quarentena. Além disso, os entrevistados revelaram que têm consumido mais notícias por meio das redes sociais (81%) do que pela televisão (61,5%).

4 a cada 10 entrevistados fizeram download de pelo menos três novos aplicativos durante a quarentena enquanto 18% ainda não fizeram nenhum. Os mais utilizados no período são Whatsapp – 99,6% usa diariamente; Instagram, utilizado todos os dias por 78,7% dos entrevistados; e Facebook, utilizado com uma menor frequência – 43,4% afirmam entrar às vezes e 20,2% não têm o app. Os novos queridinhos do momento também não ficaram para traz.

Transformação digital

Com o objetivo de mapear o cenário atual – principalmente com o avanço de tecnologias digitais -, as mudanças e as expectativas futuras dos brasileiros em relação à conjuntura político, econômica, social e cultural da pandemia causada pelo COVID-19, a ioasys analisou tendências de transformação digital. O estudo teve participação maioritária de mulheres (55%), sendo 59% dos participantes do Sudeste e 22% do Nordeste. 62% dos respondentes são das classes C, D ou E e quase 61% são millennials (21 a 35 anos).

Disponível em: https://www.segs.com.br/seguros/234343-estudo-mapeia-o-consumo-de-informacoes-e-novos-habitos-de-cada-geracao-durante-a-pandemia. Acesso em: 6 jun. 2020.

Acesse o relatório aqui Mapeando o presente: O que mudou? Quais nossas expectativas com o que está por vir?

Plataforma de divulgação científica identifica fake news sobre COVID-19

Agência FAPESP – Projeto busca combater onda de desinformação sobre a pandemia da COVID-19 por meio da plataforma COVID Verificado, que faz a checagem científica de informações relacionadas ao novo coronavírus.

A iniciativa é de um grupo de alunos de mestrado e doutorado do Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).

Na plataforma, é possível encontrar respostas para algumas das dúvidas mais comuns sobre o SARS-CoV-2, como, por exemplo, o tempo de sobrevivência do vírus em diferentes superfícies, vacinas em desenvolvimento e possíveis tratamentos. As informações são apresentadas de maneira simplificada, com gráficos e imagens para facilitar a compreensão, e sempre indicando as referências científicas.

O site reúne também as principais atualizações sobre novas pesquisas e descobertas relacionadas à COVID-19. Há ainda uma área para o envio de perguntas diretamente para os pesquisadores.

A plataforma COVID Verificado pode ser acessada em www.covidverificado.com.br/. Os pesquisadores também mantêm uma página no Instagram e no Facebook.
 

Disponível em: http://agencia.fapesp.br/plataforma-de-divulgacao-cientifica-identifica-fake-news-sobre-covid-19/33252/