O papel dos arquivos frente ao COVID-19

Fonte: Pixabay

O Grupo de Trabalho sobre Arquivos e Direitos Humanos da ALA e a SAHR da ACI expressam seu apoio à Declaração da UNESCO “Transformando a ameaça do COVID-19 em uma oportunidade de maior apoio ao patrimônio documental” publicado há alguns dias. Divulgamos esta declaração na qual o patrimônio documental é tratado como um recurso importante para oferecer uma perspectiva histórica de como os governos, seus cidadãos e a comunidade internacional enfrentaram pandemias no passado e, portanto, a importância de preservar registros dessa pandemia para pesquisas futuras.

A declaração está disponível para download em inglês e espanhol:

The role of archives in the COVID-19 crisis

El papel de los archivos en la crisis del COVID-19

Relatório da UNESCO sobre museus ao redor do mundo em face do COVID-19 está disponível online

A UNESCO lançou um novo relatório sobre museus ao redor do mundo em face do COVID-19, fruto de uma pesquisa internacional direcionada a museus, profissionais da cultura e Estados-Membros.

Este relatório, apresentando uma primeira avaliação do impacto do COVID-19 no setor de museus, lança uma nova luz sobre as principais tendências dos museus do mundo, sua reação diante da crise, sua capacidade de resiliência e os desafios de acessar cultura.

O estudo revela que o número de museus é estimado em cerca de 95.000 em 2020, o que representa um aumento de 60% em relação a 2012. No entanto, eles são muito desigualmente distribuídos pelo mundo. Os museus foram particularmente afetados pela pandemia, pois 90% deles fecharam suas portas durante a crise e, de acordo com o Conselho Internacional de Museus (ICOM), mais de 10% podem nunca reabrir. Diante da crise, os museus agiram rapidamente para desenvolver sua presença na Internet. No entanto, a divisão digital é mais evidente do que nunca: apenas 5% dos museus na África e nos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS) foram capazes de propor conteúdo online.

“Este relatório não apenas fornece uma melhor compreensão do impacto da pandemia de COVID-19 nas instituições museológicas e dos desafios que eles enfrentarão após a crise da saúde, mas também explora as formas de apoiar os museus após a crise”, declarou Audrey Azoulay, Diretor Geral da UNESCO. “Há uma necessidade urgente de fortalecer políticas que apoiem ​​esse setor, que desempenha um papel essencial em nossas sociedades para a disseminação da cultura, educação, coesão social e apoio à economia criativa”.

Com o objetivo de reunir informações sobre como o surto em curso de COVID-19 afeta o setor cultural, o Conselho Internacional de Museus (ICOM) lançou uma pesquisa global para analisar o impacto das medidas de quarentena. O relatório do ICOM fornece informações sobre a situação dos museus e sua equipe, o impacto econômico previsto, a digitalização e a comunicação, a segurança dos museus e a conservação de coleções e a situação dos profissionais independentes dos museus.

Essa reflexão comum e a cooperação interinstitucional fornecem dados atualizados sobre museus e instituições museológicas, que são ainda mais importantes neste período de desafio global trazido pela COVID-19.

Este texto é uma tradução livre da notícia Launch of UNESCO Report on museums around the world in the face of COVID-19, acessada em 23 de julho de 2020.

Painel Funesc debate ‘A Biblioteca Pública antes e depois da pandemia

Para a bibliotecária Cybelle Macedo, levará um tempo até que as bibliotecas voltem a ser pontos de convergência

A Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) realiza, nesta terça-feira (21), a segunda edição do ‘Painel Funesc’, a partir das 19h. O tema em debate vai ser ‘A Biblioteca Pública antes e depois da pandemia’, com transmissão ao vivo via YouTube.

O debate vai abordar as atividades que a Biblioteca da Funesc oferecia antes do período de isolamento domiciliar, destacando os projetos oferecidos e a estrutura da Juarez da Gama Batista, maior biblioteca do Estado (com um acervo de 200 mil obras). Em seguida, a discussão vai abordar o ‘novo normal’.

Protocolos nas bibliotecas

Para a bibliotecária Cybelle Macedo, preocupações contínuas de distanciamento social significam que ainda levará um tempo até que as bibliotecas voltem a ser pontos de convergência para leituras e pesquisas presencialmente. “Todos os protocolos precisam ser respeitados e não será diferente com as bibliotecas”, comentou ela.

Realidade mundial

Na China, onde algumas bibliotecas começaram a abrir ao público, muitas práticas de segurança estão em vigor. Conforme Tatiana Cavalcante, as visitas em bibliotecas chinesas são limitadas a uma hora e os usuários não podem se sentar ou ler na biblioteca.

Na Alemanha, ainda conforme Tatiana, as bibliotecas estão em processo de reabertura. “Algumas monitoram o número de usuários dentro da biblioteca e todos são incentivados a limitar suas visitas a apenas 20 minutos”, declarou a bibliotecária Tatiana Cavalcante.

Os procedimentos para o ‘novo normal’ em bibliotecas brasileiras ainda estão em processo de debate e construção. Mas apresenta-se como evidente que haverá o controle de acesso e também um controle de permanência de usuários, além de uma lista de medidas de segurança para evitar contaminação pela Covid-19.