SNBU 2014: dias 20/11/2014 e 21/11/2014

Sob o tema “Bibliotecas universitárias: intermediação e produção do conhecimento em tempos de conexões digitais” e eixo temático “Tecnologia”, o professor Murilo Bastos da Cunha (UnB) proferiu a conferência do quarto dia do SNBU 2014, “A biblioteca universitária e a gestão de dados científicos”.

Inicialmente o conferencista apresentou o conceito de Big Science, apontando alguns dados interessantes sobre este novo contexto, tais como que de 200o a 2013 a informação analógica passou a compor 2% do total existente, ao passo que o restante é digital. Para o professor, isso representa uma reversão do mundo informacional. Além disso, apresentou o conceito de Big Data, que trata grandes volumes de dados para extrair significado, o que está contribuindo, pela primeira vez, pela perda de memória da humanidade.” Portanto, o problema que se impõe atualmente é que a informação ultrapassa espaço para armazenamento e não se tem clareza do que armazenar, já que há dificuldade para trabalhar os dados. Sob esse ponto de vista, Cunha destacou que a solução pode ser a gestão da informação, e neste momento introduziu o conceito de E-science (também denominada curadoria de dados/dados científicos), que é uma parte do Big Data. Neste sentido, a gestão dos dados científicos (GDC), quais sejam, instrumentos de medida, experimentos, observações, imagem, vídeo, áudio, bases de dados, softwares, dentre outros, possui natureza colaborativa e multidisciplinar, por isso, é necessário refletir sobre como criar e comunicar esses dados, já que até o momento não foram objeto de preocupação do bibliotecário. Para tanto, é preciso incorporar serviços, redefinir papéis e agregar valor ao portfólio de serviços. Porém, algumas dificuldades enfrentadas são, dentre outras, o reconhecimento da importância da E-science e complexidade das estruturas.

Após esse panorama, Cunha apresentou recomendações da LIBER para o tema: apoio a GDC; desenvolvimento de serviços de metadados; desenvolvimento de competência profissionais; políticas institucionais de gestão de dados; trabalhar em articulação com o setor de tecnologia da informação; disponibilizar serviço de curadoria de dados científicos; citação dos dados e links permanentes; repositório; envolver-se e praticar a GDC; e oferecer ou mediar serviços de armazenamento. Desta forma, considera que os serviços de dados científicos serão demandados e será preciso que papéis até então não associados com o bibliotecário sejam assumidos por esse profissional. Por fim, indicou o livro “The data deluge: can librarian cope with e-science?“.

Após o coffee break, realizou-se a mesa redonda “Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias”, que teve início com Ricardo Lemos Soares, da Fundação Dorina Nowill para Cegos (FDNC). O palestrante iniciou expondo o contexto da informação acessível e educação, qual seja: vive-se na era informação e em um mundo globalizado; as informações são, em sua maior parte, digitais e conectadas; deve-se prezar pelo direito de acesso e democratização da informação; e garantir o acesso à informação para pessoas com deficiência visual. Ao introduzir o conceito de acessibilidade, que é eliminar barreiras e obstáculos, apresentou os tipos e ferramentas existentes: metodológica e instrumental (publicações acessíveis em Braille e DAISY); audioguia e audiodescrição de espaços;  soluções expográficas/linguagem simplificada. Soares considera, ainda, que o acesso a livros (Braille, áudio e digital acessíveis) deve passar pela capacitação dos profissionais e bibliotecários que atendem aos deficientes visuais, além de serem necessários a adequação e preparação de materiais acessíveis, tanto em escolas como em bibliotecas.

No que se refere ao livro digital, o conferencista considera que o formato Epub ainda está preso ao conceito do livro impresso, pois tem certas restrições de uso, e sugeriu, dentre outros softwares sintetizadores de voz, dois gratuitos:  NVDA e Dosvox, este último desenvolvido pela UFRJ. Já que no tange aos equipamentos para leitura de livros digitais e audiolivros, foram destacados os tocadores de MP3, hardwares leitores de livros em DAISY (Victor Reader, Humanware, Dorina Daisy Reader, FSReader, Mec e Daisy). Por fim, o palestrante comentou que os próximos passos para a acessibilidade são o formato Epub 3 (convergência entre os formatos DAISY 3.0 e Epub 2.0) e o conceito de livro dinâmico, conectado, integrado, interativo e acessível, pois neste caso é preciso que o leitor tenha uma experiência de leitura completa que passe utilize outros sentidos. Para participar ativamente das questões de acessibilidade, foi sugerido ao público que conheça as tecnologias assistivas e tomem contato com os direitos dos deficientes.

Na sequência, a Profª Drª Lilain Maria Araújo de Rezende Alvares (IBICT) apresentou ações do instituto em que atua voltadas para o contexto atual. Sua exposição teve início com a afirmação de que as bibliotecas universitárias estão em um ambiente de mudanças no ensino superior, pois enquanto que na graduação ocorrem níveis preocupantes de evasão e preocupações em torno da EaD, ainda desigualmente distribuída pelo país, a pós-graduação ainda precisa fazer com que a ciência brasileira alcance níveis expressivos de internacionalização e visibilidade, assim como expandir a participação no programa Ciência sem Fronteiras, haja vista que 1/4 dos alunos vão para Portugal. Em seguida, teceu comentários sobre o desenvolvimento de coleções, explicando que com o digital o território já não mais importa, pois ele é dinâmico, remoto e conectado, bem como expôs o conceito de humanidades digitais, que trata do encontro  das ciências sociais com as tecnologias, destinada a estudá-lo, sobretudo em bibliotecas, arquivos, museus, coleções universitárias e instituições de memória. Além disso, em função do contexto, digital, há uma nova visão de empréstimo, licenciamento, aquisição e assinatura, dentre outras atividades bibliotecárias.

Alvares também falou sobre a preservação digital como sendo um amadurecimento das coleções digitais e planejamento a longo prazo, haja vista que deve constar do planejamento estratégico de uma biblioteca universitária. Sobre os dados científicos e curadoria, a palestrante expôs que isso já é realizado no exterior, a exemplo da NSF, o “CNPq norte-americano”, pois o mesmo exige, na apresentação de projetos, a forma de planejamento e gestão dos dados resultantes da pesquisa financiada. Para tanto, é necessário adotar um padrão, tanto para repositórios, como de metadados e para a organização de infraestrutura para implementação das ferramentas. Sobre a comunicação científica e acesso aberto, Alvares endossou a necessidade de esforços para incentivá-lo e apoiá-lo além das atividades legislativas e executivas, sobre as quais recai maior ênfase atualmente. Por fim, defendeu a adoção de modelos sustentáveis, a exemplo da revista Jove, assim como de novos modelos de educação superior com o uso, dentre outras tecnologias disponíveis, dos recursos educacionais abertos (REA), além de ter mencionado a computação em nuvem e o contexto de cooperação e colaboração em que devem atuar as bibliotecas universitárias.

Encerrando a mesa redonda, o Profº Drº Waldomiro  de Castro Santos Vergueiro (USP) relatou uma pesquisa realizada em parceria com a Universidade Carlos III de Madrid sobre o mercado de trabalho do bibliotecário no Brasil e na Espanha, visando identificar as competências e atitudes exigidas atualmente por meio de anúncios de trabalho na Catho e Portal do Bibliotecário. Começou destacando alguns aspectos da sociedade atual, como a questão de permanente mudança enfrentada pelos profissionais da informação, a não limitação do espaço físico e o envelhecimento precoce das ferramentas de trabalho. Algumas das implicações apontadas são: a redefinição do mercado (a necessidade de criar e invadir outros mercados), o impacto nos currículos (os cursos formam bem o que se exige profissionalmente, mas não para o que o mercado solicita) e a emergência de uma nova cultura acadêmica.

Identificaram-se 23 setores de atuação, com destaque para a educação, no qual foram encontradas a maioria das vagas, seguido de informática e provedoras de serviços. Em relação aos conhecimentos, pede-se um perfil tradicional mesclado com comunicação e atenção para usuários. Segundo o palestrante, o futuro dependerá do valor que o profissional possa agregar à instituição, para tanto, há que se trabalhar com gestão de sistemas, atenção ao usuário, armazenamento e gestão e recuperação da informação. Também foram identificados conhecimentos em tecnologias que são demandados, a saber: sistemas de informação, software documental, bases de dados, desenho web e linguagens de programação. No que se referem às habilidade, Vergueiro comentou dentre as demandadas encontram-se comunicação oral e escrita, domínio de língua estrangeira e conhecimento de produtos de informática (Prolink, Excel, Adobe ou pacote Office). Finalizou destacando que a análise de anúncios é um caminho para se aproximar do mercado e que eles pedem um perfil técnico aliado ao alto manuseio de tecnologia.

Os últimos trabalho assistidos no período da tarde foram:

Uso de ferramentas colaborativas em trabalho coletivo Célia Regina Inoue , Cristina Marchetti Maia, Silvia Nathaly Yassuda, Ana Paula Rímoli Oliveira, Vânia Aparecida Marques Favato, João Josué Barbosa, Terezinha Cristina Baldo Vernaschi , Maria Irani Coito, Laura Odette Dorta Jardim, Micheli Antonia Oshima – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp)

Usabilidade do blog da Biblioteca Leopoldo Nachbin do Instituto de Matemática da UFRJ: estudo de caso – Marília Cossich Ramos – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Aumentando o alcance e a visibilidade de catálogos online e repositórios institucionais com a ajuda do Google Giuliano Ferreira – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Licenciamento de livros eletrônicos e o modelo de negócios PDA (Patron Driven Acquisition) – Liliana Giusti Serra, José Fernando Modesto da Silva – Universidade de São Paulo (USP)

Usando o blog para promover serviços na biblioteca universitária – Patrícia Silva – Universidade Federal da Paraíba, Alex Salustino Silva – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

A conversão de registros na implantação de repositórios institucionais: o caso do Repositório Institucional Unesp – Fabrício Silva Assumpção, Renata Eleuterio da Silva, Jaider Andrade Ferreira , Flávia Maria Bastos – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp)

No último dia de SNBU, sob o tema “Ética, conhecimento e cultura informacional: o papel das bibliotecas universitárias”, o Profº Drº Ladislau Dowbor (PUC-SP) proferiu a conferência “Ética da informação na era contemporânea: considerações sobre dilemas éticos e as questões profissionais” e também a Profª Drª Lídia Alvarenga (UFMG) proferiu uma conferência intitulada “Ética na sociedade e na Ciência da Informação”. Na sequência, houve a sessão de encerramento com o pronunciamento do presidente do XVIII SNBU, apresentação do relatório dos observadores nacional e internacional, apresentação do relatório geral do evento, escolha da sede do XIX (foi Manaus, em acirrada disputa com São Luís, já que houve empate e foi realizado um sorteio), apresentação cultural e coquetel de encerramento. A tarde, foram realizadas duas visitas técnicas: uma à Biblioteca Universitária e Central e outras à Biblioteca do Museu de História Natural, ambas da UFMG.

Até Manaus!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s