SNBU 2016 – Dia 18/10/16

No terceiro dia do SNBU 2016, o bibliotecário Cristian José Oliveira Santos, da Câmara dos Deputados, proferiu pela manhã a conferência “A Cultura Organizacional das Bibliotecas Universitárias.

Santos discorreu sobre aspectos diversos da cultura organizacional. Fundamentalmente, trata-se do “jeito de fazer as coisas”. No contexto bibliotecário, destacou que a biblioteca universitária se diferencia de acordo com a cultura de sua comunidade, assim como lembrou da importância das redes de comunicação intra e interbibliotecárias, que influenciam na formação da cultura organizacional, colocando a Reitoria e o Conselho Universitário como os lugares privilegiados onde ocorre sua definição. O desafio é construir a mentalidade desses órgãos universitários de que precisamos de mais bibliotecas, pois privilegiam outros tipos de lazer nos espaços institucionais, contribuindo, assim, para o resgate da certidão de nascimento da biblioteca universitária.

Tal resgate se faz necessário para que a biblioteca, atualmente em crise, não se afaste de sua missão de prover o acesso à informação. Para isso, Santos coloca a sustentabilidade como mudança na cultura organizacional para a biblioteca universitária, de modo que possibilite a implantação de uma cultura de acessibilidade, isto é, um novo modelo ético de aceitar o outro. Nesse contexto, destacou que as classificações bibliográficas não atendem mais às necessidades da informação na atualidade, visto que existem múltiplas fontes e suportes de informação: a biblioteca universitária deve trabalhar, portanto, para prover acesso ao acervo sob sua custódia, bem como a todo e qualquer tipo de informação relevante para seus usuários, independentemente de sua orientação religiosa, política ou sexual.

Isso posto, o palestrante discorreu que para pensar uma cultura de cidadania, é importante lembrar que a biblioteca pode nascer tanto para libertar como para oprimir. O caminho trilhado não depende, apenas, dos profissionais que nela atuam, mas de acordo com sua postura, pode fazer com que determinados grupos de usuários aproximem-se ou afastem-se da biblioteca, por exemplo, pela prática da censura (velada ou não) no momento da classificação. Além disso, lembrou, ainda, da NBR 9050 (Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos), publicada em outubro de 2015, e sugere que seja o livro de cabeceira dos bibliotecários a fim de promover maior inclusão onde atuam, assim como também destacou o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/16) nesse contexto.

Assim, para que efetivamente haja uma mudança na cultura organizacional, Santos lembrou que a ruptura vem dos bibliotecários, pois são eles que irão tornar a biblioteca superior. Além disso, lembrou que há um hiato fundamental das bibliotecas: a pulverização de políticas, que são apresentadas em diversos órgãos e, por isso, muitas vezes acabam passando por dificuldades na sua aplicação, quando são aplicadas. No entanto, há um indicativo de mudança, pois o Sistema CFB/CRB pretende reunir as diversas políticas para livro, leitura e bibliotecas em um único documento. Para que esse cenário mude, também é necessário que o bibliotecário atue ativamente na formulação dessas políticas.

No período da tarde, acompanhei os seguintes trabalhos:

Avaliação do serviço de malote da biblioteca do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG, Campus Regional de Montes Claros
Gracirlei Maria de Cavalho Lima

Nesse trabalho, basicamente foram apresentadas as dificuldades do serviço de malote entre um campus no interior e o campus na capital, poiso trata-se de um processo ainda caro e que merece mais atenção no uso para que não seja custoso para a instituição.

A visão dos usuários da Biblioteca Central da PUCPR em relação ao uso de livros eletrônicos na universidade
Teresinha Teterycz, Fernanda Périco Jorge e Gisele Alves

Esse trabalho relatou a percepção dos usuários da PUCPR em relação aos e-books. Nele, destacam-se o impacto dos e-books no desenvolvimento de coleções e na educação dos usuários, a preferência predominante pelo impressos, a necessidade de reforçar a divulgação com os docentes e capacitar para a Educação a Distância (EaD).

Biblioteca universitária: sua função social enquanto lugar de memória
Clivea de Farias Souto

A biblioteca, independente de seu tipo, sempre atuou na perspectiva de preservação de seu acervo para acesso pelas futuras gerações. A mensagem principal deste trabalho, portanto, é que a biblioteca universitária deve ser um espaço dinâmico e acessível para que perpetue a cultura e a identidade de uma nação.

Interação entre planos de ensino digitais e biblioteca: uma experiência na faculdade de medicina da UFRGS
Shirlei Galarça Salort

Esse trabalho mostrou mais uma forma da biblioteca trabalhar em conjunto com outros setores, pois por meio de uma adequação nos sistemas institucionais, foi possível inserir a biblioteca efetivamente no auxílio da seleção da bibliografia para a graduação, assim como no suporte da verificação dos dados antes da compra.

Uso das fontes de informação na formação inicial docente
Rejane Sales de Lima Paula e José Lucas Pedreira Bueno

Assim como o anterior, esse trabalho também mostrou outra possibilidade parceria com a biblioteca, desta vez, na formação de alunos do curso de Pedagogia por meio da apresentação de bases de dados e fontes de informação confiáveis na Internet, preparando-os para serem reflexivos e críticos no uso da informação.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos, Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s