Resumo do webinar “A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP)”

Os novos instrumentos de avaliação do MEC para bibliotecas foram o tema do webinar apresentado pela bibliotecária e consultora Mirian Rocha.

Como a apresentação durou apenas 45 minutos, a palestrante abordou os aspectos relacionados ao acervo.

Confira o resumo do webinar!

Inicialmente, Miriam abordou a Portaria 24, de 21 de dezembro de 2017. Essa portaria define o calendário anual de abertura do protocolo de ingresso de processos regulatórios no sistema e-MEC. As datas mais próximas do prazo final são de reconhecimento de cursos (1 de fevereiro a 1 de março) e aumento de vagas (1 a 15 de março).

Os quatro novos instrumentos, disponíveis no site do INEP, podem ser acessados abaixo:

Instrumento de Avaliação Institucional Externa Presencial e a Distância – Credenciamento

Instrumento de Avaliação Institucional Externa Presencial e a Distância – Recredenciamento

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Presencial e a Distância – Autorização

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Presencial e a Distância – Reconhecimento e Renovação de Reconhecimento

Uma informação importante apresentada foi

As Instituições de Ensino em fase de avaliação externa, mas não tiveram visita in loco até 31 de outubro = tiveram até 20 de janeiro para optar.* (ofício encaminhado via e-mail)

*Atenção aqui! Verificar com o PI [Procurador Institucional]

O Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Presencial e a Distância – Autorização possui 3 dimensões:

  • Dimensão 1 = 24 indicadores
  • Dimensão 2 = 15 indicadores
  • Dimensão 3 = 16 indicadores

Mirian destacou, na dimensão 1 (peso 40), os indicadores 1.4 (estrutura curricular = disciplinas LIBRAS; aqui, a mesma bibliografia para diferentes cursos pode causar problemas por causa do número de vagas), 1.5 (conteúdos curriculares; aqui foi destacado que independentemente se impressos ou digitais, essa decisão deve ser institucional e dentro do processo gestor da biblioteca), 1.11 (TCC; aborda divulgação e manuais de apoio à sua elaboração) e 1.18 (material didático; adequação da bibliografia às exigências da formação – validação).

A dimensão 2 continua com peso 20.

Na dimensão 3, a palestrante destacou os indicadores 3.6 (bibliografia básica por unidade curricular (impressa ou virtual)) e 3.7 (bibliografia complementar por unidade curricular (impressa ou virtual)). O indicador 3.7 tem como destaques o acervo referendado por Relatório de Adequação (compatibilidade entre o número de vagas e o quantitativo de exemplares por título (ou assinatura de acesso)) e a adoção de Plano de Contingência para livros que constam na bibliografia, podendo ser virtuais ou físicos, isto é, um plano que garanta o acesso e o serviço.

Mirian ainda comentou que apesar de inexistirem critérios quantitativos nos novos instrumentos, em teoria o cálculo por número de exemplares ainda vigora, ou seja

  • Comprovação da compatibilidade em cada bibliografia das UC [Unidades Curriculares] = número de vagas autorizadas (curso em questão + dos demais que utilizam a mesma bibliografia) e o número de exemplares por título disponível no acervo.
  • Ex.: 1) (7 +3 + 5)

2) questão dos livros esgotados.

Nos indicadores 1, 2 e 3 dos indicadores 3.6 e 3.7 não existe referência aos periódicos especializados.

A partir do conceito 4, os periódicos elencados nos dois indicadores (bibliografia básica e complementar)

Já no Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Presencial e a Distância – Reconhecimento e Renovação de Reconhecimento, foi destacado o eixo 5 – infraestrutura, e os indicadores 5.9 (biblioteca infraestrutura), que tem como novidade o atendimento educacional especializado, e 5.10, que discorre sobre a descrição do plano de atualização do acervo no PDI [Plano de Desenvolvimento Institucional].

 

Última atualização: 13 de março de 2018.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Eventos

3 Respostas para “Resumo do webinar “A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP)”

  1. Ótimo resumo! No mais temos que aguardar se o instrumento não sofrerá alguma mudança a curta prazo visando resolver lacunas

    • Olá, Izabel!

      Sim. Inclusive a própria Mirian falou para observarmos como serão as próximas avaliações para verificarmos se haverá reajustes.

      Obrigado pela visita e parabéns pelo seu blog, eu o acompanho!
      Eduardo.

  2. Pingback: Webinar “A biblioteca universitária e os novos instrumentos de avaliação (MEC/INEP)” – Processo técnico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s