Arquivo da categoria: Não classificado

Senac lança biblioteca digital com mais de 600 livros gratuitos

Na plataforma, é possível selecionar livros favoritos, adicionar anotações sobre o conteúdo e criar listas de leitura

Uma excelente notícia para quem é apaixonado por leitura e não quer deixar o hábito de lado durante a quarentena: uma biblioteca digital foi lançada, com mais de 600 livros gratuitos.

A iniciativa é do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), que dará acesso gratuito material a todos os estudantes e colaboradores da instituição. As obras são de diversas áreas e é possível acessá-las através de um sistema de acesso remoto, que permite ao usuário flexibilidade na hora da leitura.

Além disso, ao navegar pela biblioteca digital é possível selecionar livros favoritos, adicionar anotações sobre o conteúdo e criar listas de leitura. Entre as opções didáticas disponibilizadas estão, por exemplo, conteúdos de Ciências Humanas, Saúde, Bem-Estar e Beleza, Comunicação e Artes, Design, Arquitetura, Moda, Educação, Gastronomia e Nutrição, Turismo e Hotelaria, Eventos e Desenvolvimento Social e Tecnologia da Informação.

Para ter acesso, basta acessar o site www.bibliotecadigitalsenac.com.br.

Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/senac-lanca-biblioteca-digital-com-mais-de-600-livros-gratuitos/. Acesso em: 25 abr. 2020.

2 Comentários

Arquivado em Não classificado

University copyright/scholarly communication offices: Analysis of their services and staff profile

Foi publicado no Journal of Academic Librarianship (v. 46, n. 2, março 2020) o artigo University copyright/scholarly communication offices: analysis of their services and staff profile, de autoria de Juan Carlos Fernández-Molina (meu coorientador do mestrado), Daniel Martínez-Ávila (meu orientador do mestrado) e Eduardo Graziosi Silva.

É muito satisfatório compartilhar esse artigo, pois é resultado da minha dissertação, cujo título é Competências do bibliotecário de referência para atuação nos direitos autorais (texto integral disponível a partir de maio de 2020 em função de termos submetido para a revista).

Compartilho o abstract:

Questions surrounding copyright and its impact on the possibilities of using scientific articles, theses, and other types of intellectual works have been growing in volume and complexity. Several studies show that neither university professors nor students possess adequate knowledge or are prepared to face such issues. This void has a negative impact on academic activities. In view of the situation, some university libraries have dedicated special effort to provide their users with more specific information related to these topics, giving rise to the new professional profile of copyright librarian, or even developing a new library section denominated copyright office. This new role has gradually expanded to deal with more global problems of scholarly communication. The present study analyzes the services offered by these offices and the professional and academic profile of the staff involved. Results point to a healthy degree of maturity and consolidation, together with a gradual broadening of the subject areas they cover.

Keywords

Copyright; Academic libraries; Copyright office; Scholarly communication office; Copyright librarian; Copyright officer; Scholarly communication librarian

O artigo está disponível gratuitamente a partir de hoje (12/02/20) até 02/04/2020 pelo link https://authors.elsevier.com/a/1aZ94MYb6LuTF.

Boa leitura e qualquer dúvida, deixe um comentário!

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

Livros de youtubers são um fenômeno no mercado editorial

Diversos youtubers estarão na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, representando seus trabalhos literários

Por  – Editorias: AtualidadesRádio USP

 

Biena (sic) do livro – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

A 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo  que começa hoje, dia 3, e vai até o dia 12 de agosto. O evento é palco para o encontro das principais editoras, livrarias e distribuidoras do País, que apresentam seus mais importantes lançamentos. Desde 2016, o evento tem apresentado uma nova categoria do mercado editorial: Os livros de youtubers.

A professora Stela Piconez, da Faculdade de Educação da USP, conversou com a Rádio USP sobre esse novo fenômeno. Para ela, essa literatura obtém seu sucesso devido ao conteúdo direto, simples e presente na vida dos adolescentes e crianças. Essa identificação com o autor e os assuntos abordados é benéfica, pois pode estimular a leitura na juventude.

Ouça a matéria no link acima.

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

Quem lê livros é mais inteligente e o melhor para se apaixonar

Conti Outra – 30/09/2015

Você provavelmente já conhece os inúmeros benefícios que a leitura pode trazer para sua vida.

Mas e se eu te falar que a experiência é tão significante que podemos até mesmo comprovar, com argumentos científicos, que as pessoas que leem são as melhores pessoas para se viver uma paixão?

Foi exatamente isso que a escritora norte-americana Lauren Martin fez ao publicar, no site do Elite Daily, o seu artigo “Why Readers, Scientifically, Are The Best People To Fall In Love With” (em português: “Por que os leitores, cientificamente, são as melhores pessoas para se apaixonar”).

Para te ajudar a entender o porquê dessa afirmação, separamos os melhores trechos do texto de Lauren. Confira.

“Você já leu um livro até o fim? Realmente até o fim? Capa a capa. Fechou-o com aquela sensação de voltar lentamente à realidade? Você suspira fundo e fica ali, sentado. Com o livro em suas mãos…”

“É como se apaixonar por um estranho que você nunca verá novamente. O desejo e a tristeza que sente por um caso de amor que acabou dói, mas ao mesmo tempo você se sente saciado, cheio pela experiência, a conexão, a variedade que surge após digerir outra alma. Você se sente alimentado, mesmo que por pouco tempo.”

É assim, comparando as emoções vividas em uma paixão com o processo de terminar um livro, que a autora começa a explicação para a sua afirmação. Mas a “teoria” também tem base científica.

De acordo com estudos de 2006 e 2009, publicados por Raymond Mar, psicólogo da Universidade de York, do Canadá, e por Keith Oatley, professor de psicologia cognitiva na Universidade de Toronto, quem é um profundo leitor de ficção possui maior capacidade de empatia e de desenvolver a chamada “teoria da mente”, que é a habilidade de aceitar outras opiniões, crenças e interesses, além de seus próprios.

Ou seja, os leitores são mais capazes de considerar outras ideias sem rejeitá-las e, mesmo assim, manter as suas próprias. Para ter essa característica pessoal, a autora acredita que é preciso ter uma boa “diversidade de experiências sociais” e a falta dela é provavelmente a razão para seu “último companheiro ser tão narcisista”.

A explicação para o leitor ser mais desenvolvido na “teoria da mente” é a de que ele vivencia experiências através de outros olhos, vendo o mundo de outra perspectiva e absorvendo sabedoria de cada uma delas.

“Eles aprenderam como é ser uma mulher, e um homem. Eles sabem como é ver alguém sofrer. Eles são maduros, sábios.”

Para reforçar a teoria, a autora ainda se baseia em um estudo de 2010, também de Raymond Mar, que diz que quanto mais histórias foram lidas para uma criança, mais aguçada é a “teoria da mente” dela. A criança torna-se mais sábia, adaptável e compreensiva.

“Porque ler é algo que molda você e aumenta o seu caráter. Cada triunfo, lição e momento crucial da vida do protagonista se tornam seu.”

“Eles não vão falar com você. Eles vão conversar com você.”

Segundo o artigo, os leitores escreverão cartas e versos. São eloquentes no bom sentido, não dão respostas simples, mas apresentam pensamentos profundos e teorias intensas, encantando com o conhecimento de palavras e ideias.

“Faça um favor a si mesmo e namore alguém que realmente saiba como usar a língua.”

“Eles não apenas te entendem. Eles te compreendem.”

De acordo com o psicólogo David Comer Kidd, da New School for Social Research, “O que os autores fazem de maravilhoso é transformar você no escritor. Na literatura de ficção, a incompletude das personagens faz com que sua mente tente entender a mente de outros”. Com isso, os leitores desenvolvem a capacidade da empatia. Eles podem não concordar com você, mas vão tentar ver as coisas do seu ponto de vista.

“Você deveria se apaixonar apenas por alguém que consiga ver sua alma. Deve ser alguém que não apenas te conhece, mas que te compreenda completamente.”

“Eles não são apenas inteligentes. São sábios.”

“Ser inteligente demais pode ser desagradável, mas ser sábio é algo cativante.”

Quem é que não gosta de ter um bate-papo inteligente e sempre aprender alguma coisa? Se apaixonar por um leitor irá melhorar o nível das conversas. Os leitores profundos são mais inteligentes devido ao maior vocabulário, melhor memória e pela capacidade de detectar padrões.

“Se você namora alguém que lê, então você também viverá milhares de vidas diferentes.”

Espécie em extinção

Se você gostou dos argumentos e já não vê a hora de procurar sua paixão, é preciso se apressar, pois a autora acredita que os chamados “profundos leitores” estão acabando no mundo, já que as pessoas muitas vezes apenas “passam o olho” ao invés de realmente ler.

“Se você ainda procura por alguém que te complete, que preencha o vazio em seu coração solitário, procure por essa raça que está se extinguindo. Você os encontrará em cafeterias, parques e no metrô.”

“Você os verá com mochilas, bolsas e maletas. Eles serão curiosos e sensíveis, e você saberá nos primeiros minutos de conversa com eles.”

Disponível em: <http://www.blogdogaleno.com.br/2015/10/05/quem-le-livros-e-mais-inteligente-e-o-melhor-para-se-apaixonar>. Acesso em: 9 out. 2015.

2 Comentários

Arquivado em Não classificado

Brasiliana sedia quarto Seminário Internacional Arquivos de Museus e Pesquisas

Dias 28 e 29 de setembro acontece a quarta edição do Seminário Internacional Arquivos de Museus e Pesquisas, que traz como fio condutor A formação interdisciplinar do Documentalista e do Conservador”.

O evento reunirá especialistas, profissionais e demais interessados no patrimônio histórico cultural internacional para dialogarem e apresentarem suas formações, seus conhecimentos e experiências multifacetadas no universo dos arquivos, bibliotecas, museus e instituições similares de interesse público. Esta interdisciplinaridade lida com desafios cotidianos de gestão de acervos e de capacitação contínua de seu corpo técnico em coleções de diversas tipologias, na maioria das vezes insubstituíveis, de natureza única ou híbrida. A programação do encontro pode ser acessada neste link.

As inscrições devem ser realizadas de forma presencial no Arquivo do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. Os valores para participação são R$ 50,00 para profissionais e R$ 25,00 para estudantes, com apresentação de documentos comprovatórios.

O Seminário acontecerá no Auditório István Jacsó do Edifício Brasiliana, na Cidade Universitária.

A realização é do Grupo de Trabalho Arquivos de Museus e Pesquisa, com organização da USP – por meio do IEB, do Museu de Arte Contemporânea (MAC) e do Museu Paulista – e do Serviço Social do Comércio (Sesc).

Disponível em: <http://www.eventos.usp.br/?events=brasiliana-sedia-quarto-seminario-internacional-arquivos-de-museus-e-pesquisas>. Acesso em: 23 set. 2015.

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

A pesquisa de informação estratégica em seis princípios

Compartilho texto do Linkedin publicado por Geneviève Drolet, Assistente e Assessor Sênior para o Vice-Ministro Adjunto para a inovação.

Recentemente comecei a estudar francês, então espero publicar outros textos de interesse nesse idioma. Como costumo fazer para textos em outros idiomas, nos quais traduzo apenas o primeiro parágrafo, aqui traduzi apenas os princípios (com a ajuda do Google Tradutor, já que estou nos primeiros passos do francês e, por isso, peço desculpas se houver algum erro!)

1) Seja preciso.
2) Seja curioso.
3) Seja sistemático.
4) Seja explorador.
5) Tenha um pensamento global e estratégico.
6) Seja o primeiro leitor.

Disponível em: <https://www.linkedin.com/pulse/la-recherche-dinformation-strat%C3%A9gique-en-six-principes-drolet?trk=hp-feed-article-title-ppl-follow>. Acesso em: 3 set. 2015.

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

Bolsas em formato de livro

Post especial para as bibliotecárias!

***

Reusar, recriar e transformar manualmente materiais descartados em objetos de moda tem sido o principal desafio do Ateliê Catarina.
Sabe aquele livro velho, estragado ou obsoleto, que nem o sebo quer mais?
Pois é, a gente quer!
Trabalhamos com os princípios da sustentabilidade + um bocado de carinho, reaproveitando peças descartadas e transformando em belíssimas bolsas, carteiras e o que mais der na telha…
São peças muito mais que únicas, são totalmente exclusivas e cheias de histórias pra contar!

***

Todos os modelos estão disponíveis no Ateliê Catarina!

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

Jovens da ''geração Y'' não sabem usar o Google da maneira correta

Jovens da ”geração Y” não sabem usar o Google da maneira correta
A geração que nasceu com o Google, os “millennials” ou geração Y, não sabe usá-lo corretamente. Pode parecer contraditório ou até uma brincadeira, mas essa é a conclusão de uma pesquisa feita por estudantes da Illinois Wesleyan, segundo a Time.
Líder do projeto, Andrew Asher comentou que a pesquisa destruiu o mito dos “nativos digitais”. “Só porque cresceram pesquisando coisas no Google não significa que saibam como usá-lo como uma boa ferramenta de pesquisa”, disse.
Isso aconteceria porque, como cresceram com a tecnologia personalizada, para eles até as tarefas mais complicadas são mais fáceis de serem concluídas – enquanto utilizar programas como o Outlook e Excel, maiores invenções no mundo corporativo, parece primitivo e complicado.
O mesmo acontece com o Google: apenas 23% dos entrevistados foram capazes de realizar uma pesquisa do Google “bem feita”. “A maioria dos estudantes, em todos os níveis, mostrou significantes dificuldades em todos os aspectos da busca”, afirmaram pesquisadores.
Os estudantes não entendem como funciona a lógica de como os mecanismos de busca a constroem e como mostram os resultados – e, consequentemente, não sabem como construir uma busca com os melhores resultados.
A princípio, o projeto pretendia estudar a relação que essa geração possui com as bibliotecas da universidades – e, por incrível que pareça, os resultados mostraram que muitos estudantes não conseguiram encontra-las no campus e nem sabiam o que perguntar aos bibliotecários.
Fonte: Infomoney.

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

Jovens da ”geração Y” não sabem usar o Google da maneira correta

Jovens da ”geração Y” não sabem usar o Google da maneira correta
A geração que nasceu com o Google, os “millennials” ou geração Y, não sabe usá-lo corretamente. Pode parecer contraditório ou até uma brincadeira, mas essa é a conclusão de uma pesquisa feita por estudantes da Illinois Wesleyan, segundo a Time.
Líder do projeto, Andrew Asher comentou que a pesquisa destruiu o mito dos “nativos digitais”. “Só porque cresceram pesquisando coisas no Google não significa que saibam como usá-lo como uma boa ferramenta de pesquisa”, disse.
Isso aconteceria porque, como cresceram com a tecnologia personalizada, para eles até as tarefas mais complicadas são mais fáceis de serem concluídas – enquanto utilizar programas como o Outlook e Excel, maiores invenções no mundo corporativo, parece primitivo e complicado.
O mesmo acontece com o Google: apenas 23% dos entrevistados foram capazes de realizar uma pesquisa do Google “bem feita”. “A maioria dos estudantes, em todos os níveis, mostrou significantes dificuldades em todos os aspectos da busca”, afirmaram pesquisadores.
Os estudantes não entendem como funciona a lógica de como os mecanismos de busca a constroem e como mostram os resultados – e, consequentemente, não sabem como construir uma busca com os melhores resultados.
A princípio, o projeto pretendia estudar a relação que essa geração possui com as bibliotecas da universidades – e, por incrível que pareça, os resultados mostraram que muitos estudantes não conseguiram encontra-las no campus e nem sabiam o que perguntar aos bibliotecários.
Fonte: Infomoney.

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado

Burroteca homenageia Dia Mundial do Livro em Portugal

«Burroteca – uma Biblioteca Improvável» é o evento de homenagem ao fantástico mundo dos livros e às inusitadas bibliotecas de algumas regiões longínquas, através de um passeio de burro, com o qual a Biblioteca Municipal de Silves assinala, em 23 de abril, o seu sétimo aniversário e o Dia Mundial do Livro.

Esta viagem, que se inicia e termina na Biblioteca, percorre o centro da cidade e algumas das suas instituições, locais onde se irão ler alguns textos, oferecendo, igualmente, aos munícipes e leitores a oportunidade de conhecerem melhor algumas obras que fazem parte do seu espólio.

O evento irá desenrolar-se, ainda, ao sabor de um bolo de aniversário, pelo que as leituras irão revestir-se, literalmente, de um delicioso sabor e rico saber.

Durante este dia, as 10 primeiras inscrições efetuadas na Biblioteca serão premiadas com livros recentes de escritores de grande sucesso na atualidade, bastando, para o efeito, apresentar o cartão de cidadão e um documento comprovativo de morada.

O evento conta com o apoio da Quinta Pedagógica de Silves, de onde vem o burro utilizado no passeio.

Disponível em: <http://www.blogdogaleno.com.br/2015/04/08/burroteca-homenageia-dia-mundial-do-livro-em-portugal>. Acesso em: 27 abr. 2014.

Deixe um comentário

Arquivado em Não classificado