Diagnóstico de práticas de educação não formal no Sistema Prisional do Brasil

prisao
Weston MacKinnon - Unsplash

Estudo mostra que brasileiros têm pouco acesso ao direito de reduzir o tempo de encarceramento por meio da leitura, e problemas como censura de livros, exclusão de pessoas presas com baixa escolaridade e migrantes nestas atividades

Estudo inédito mostra que os brasileiros que cumprem penas nas prisões do país têm pouco acesso ao direito de reduzir o tempo de encarceramento por meio da leitura, e há problemas como censura de livros, além da exclusão de pessoas presas com baixa escolaridade e migrantes das atividades e falta transparência nas informações.

A pesquisa, realizada entre dezembro de 2020 e março de 2021, identificou o perfil dos projetos que atuam no sistema prisional e realizou um diagnóstico de suas práticas e ações para fins de remição da pena pela leitura e outras atividades de educação não formal no ambiente carcerário. O estudo foi elaborado pelo Grupo Educação nas Prisões, composto pela Ação EducativaUnifesp Site externoConectas Direitos Humanos Site externo, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC) Site externoRemição em Rede Site externoNESC – Núcleo de Situação Carcerária da Defensoria Pública/SP Site externo e GEDUC do Ministério Público do Estado de São Paulo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: