Arquivo da tag: biblioteca virtual

Biblioteca virtual da Pearson fica acessível para cegos

Plataforma tem mais de 3 milhões de usuários e 8 mil títulos disponíveis em diferentes áreas

A Pearson, uma dos maiores grupo de de educação do mundo, atualizou e tornou sua biblioteca virtual acessível para pessoas com deficiência visual. O acervo conta com mais de 8 mil títulos.

A atualização ainda é aliada no combate às fake news, já que permite compartilhar citações e trechos dos livros digitais em conversas de WhatsApp e postagens no Twitter e no Facebook.

Crédito: Zlikovec/iStock – Plataforma tem mais de 3 milhões de usuários e 8 mil títulos disponíveis, de diferentes áreas

O acervo de e-books disponíveis para mais de 3 milhões de assinantes inclui novas soluções de estímulo à leitura, como o acompanhamento de metas para páginas lidas por dia, semana ou mês. A atualização ainda conta com o Cartão de Estudo que marca conceitos e até mesmo cria jogos de perguntas e respostas.

“Todos os usuários podem criar games para eles próprios. A gamificação em conteúdos educacionais é uma forma de reter o conhecimento”, conta Rafael Furtado, vice-presidente de ensino superior do grupo no Brasil.

Atualmente, a biblioteca abriga 26 editoras, em diversas áreas de conhecimento. Mais do que disponibilizar os livros digitais, os parceiros também poderão incluir na nela novos conteúdos como resenhas e dicas.

A solução da Pearson está presente em mais de 400 instituições de ensino superior.

Lançada há quase 15 anos, a biblioteca virtual é ideal para aqueles que estão constantemente buscando se desenvolver.educação.

Disponível em: https://catracalivre.com.br/quem-inova/biblioteca-virtual-da-pearson-fica-acessivel-para-cegos/ . Acesso em: 8 jan. 2020.

1 comentário

Arquivado em Notícias

Biblioteca na era digital

01

Disponível em: <http://www.otempo.com.br/opini%C3%A3o/fl%C3%A1via-denise/biblioteca-na-era-digital-1.1508298

>. Acesso em: 15 ago. 2017.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

A expansão das bibliotecas digitais e virtuais

Rosaly Favero Krzyzanowski, coordenadora da BV-FAPESP, em palestra durante o evento (foto: Leandro Negro / Ag.FAPESP)

25 de agosto de 2015

Elton Alisson | Agência FAPESP – O número de bibliotecas digitais e virtuais tem aumentado nos últimos anos. Uma das razões é o surgimento de programas gratuitos, como o DSpace, o Greenstone e o Fedora, que facilitam a construção desses repositórios de informações na internet.

“Por conta disso, diversas instituições, tanto do setor público como privado, estão criando bibliotecas digitais em diferentes áreas, tais como educação, cultura e ciência”, disse Murilo Bastos Cunha, professor do Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília (UnB), durante palestra em evento comemorativo dos dez anos da Biblioteca Virtual (BV) da FAPESP, realizado no dia 21 de agosto de 2015 na FAPESP.

As bibliotecas digitais começaram a ter maior desenvolvimento a partir de 1996, quando iniciou a fase comercial da internet no país. Nesse período, bibliotecas tradicionais, que até então estavam muito focadas na preservação de seus acervos e na provisão de acesso físico de publicações impressas, passaram a desenvolver sistemas de catálogo automatizado, de acesso público.

“Esses sistemas de catálogo automatizado possibilitaram que os acervos das bibliotecas, que até então estavam confinados em um espaço físico restrito, pudessem ser conhecidos por um número muito maior de pessoas em nível nacional e internacional”, disse Cunha.

Uma das vantagens das bibliotecas digitais, na avaliação do pesquisador, é que elas possibilitam aos usuários não só ter acesso, como trabalhar diretamente com as versões eletrônicas de documentos completos, de qualquer lugar e a qualquer tempo. Além disso, permitem maior agilidade no intercâmbio de informações com outras bases de dados.

“Mediante metadados e protocolos de intercâmbio de informação, as bibliotecas digitais podem compartilhar facilmente dados contidos em seus registros e melhorar sua operabilidade”, disse Cunha.

Desde 2009, a BV-FAPESP tem adotado uma série de medidas para aumentar a interoperabilidade com sistemas internos e externos à Fundação. Uma das medidas foi a importação de dados referenciais de artigos científicos resultantes de auxílios e bolsas concedidas pela FAPESP, publicados em periódicos científicos indexados nas bases de dados da Web of Science e do SciELO, além de teses e dissertações provenientes de bibliotecas digitais das três universidades públicas estaduais paulistas: a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Além disso, foram desenvolvidos diversos recursos para aumentar a funcionalidade da biblioteca virtual, como perfis dos pesquisadores que têm ou tiveram projetos de pesquisa apoiados pela FAPESP.

A página reúne links para o currículo Lattes, My Citation e ResearchID do pesquisador, quando disponível, além de palavras-chave representando suas linhas de pesquisa e suas publicações científicas apoiadas pela Fundação, desde que citado o agradecimento à FAPESP e o número do processo no artigo científico publicado.

“A BV-FAPESP, inicialmente mais preocupada com a indexação da literatura científica, passou a ser nos últimos anos um sistema de informação referencial de acesso público sobre os auxílios e bolsas concedidos pela FAPESP, incluindo as referências dos resultados das pesquisas realizadas”, disse Rosaly Favero Krzyzanowski, coordenadora da BV, em palestra durante o evento.

“Com a implantação dessa série de melhorias, pudemos observar que, a partir de 2009, houve um aumento de 896% em relação a 2008 no número de visitas à BV-FAPESP, que vem crescendo paulatinamente e hoje atinge a marca de mais de 4 milhões de acessos anuais”, detalhou.

A BV-FAPESP conta atualmente com 200 mil registros de Auxílios à Pesquisa, Bolsas no País e Bolsas no Exterior concedidos pela FAPESP, mais de 58 mil registros de publicações científicas resultantes desse apoio e 18 mil registros de publicações acadêmicas (teses e dissertações), desde 1992.

Os cerca de 40 mil registros relativos ao período 1962-1991 já foram digitalizados e estão sendo padronizados para integrar o acervo da BV-FAPESP a partir do final do ano.

A BV-FAPESP, como explica Krzyzanowski, tem informações referenciais e links para textos completos de artigos científicos publicados em revistas eletrônicas, ou indexados em repositórios de produção intelectual, diferentemente de bibliotecas digitais ou de repositórios, que contêm textos completos.

Referência importante

“A BV-FAPESP dá uma valiosa contribuição para ampliar o acesso ao conhecimento científico e tecnológico produzido em São Paulo, tanto em nível nacional como internacional, por meio da divulgação das pesquisas financiadas pela FAPESP e, além disso, para preservar e disseminar a memória da Fundação”, disse Celso Lafer, presidente da FAPESP, na abertura do evento.

O diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, destacou que, além de auxiliar a comunicar para o contribuinte paulista e para o mundo as atividades da Fundação, usando as ferramentas de internet, a BV-FAPESP também é um instrumento importantíssimo para o próprio trabalho da instituição.

“A BV-FAPESP é muito utilizada pela diretoria científica e pelos assessores das coordenações de área da FAPESP para analisar os projetos que requerem apoio da Fundação”, afirmou.

“Ao analisar um projeto, é possível saber por meio da BV-FAPESP se o proponente já teve outros projetos apoiados, por exemplo”, disse Brito Cruz.

Também participaram do evento o diretor administrativo da FAPESP, Joaquim José de Camargo Engler, e Carlos Vogt, ex-presidente da Fundação e atual presidente da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp).

Disponível em: <http://agencia.fapesp.br/a_expansao_das_bibliotecas_digitais_e_virtuais/21753/>. Acesso em: 26 ago. 2015.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Consulte enciclopédias e bibliotecas virtuais de todo o mundo

Plataformas oferecem conteúdos em texto, áudio e vídeo em diversos idiomas

Milhares de arquivos e documentos históricos em apenas alguns cliques. Foto: Reprodução

Em março deste ano, a famosa Encycloapedia Britannica deixou de circular em papel e passou a atuar apenas no universo digital. Uma consequência do avanço da internet e da cultura de compartilhamento na web, que reduziu o número de vendas dos tradicionais volumes de 120 mil na década de 1990 para 8,5 mil em 2010.

Essa decisão tem sido adotada por diversas outras publicações tradicionais e bibliotecas oficiais, frente à feroz concorrência com as ferramentas digitais. Bom para os leitores, estudantes e curiosos, que tem à disposição conteúdos dos mais diversos campos do conhecimento de forma rápida e – na maioria das vezes – gratuita.

O Catraca Livre destaca abaixo as principais enciclopédias e projetos de compilação de informações disponíveis na internet. Nos endereços é possível pesquisar sobre literatura, cinema, teatro, ciências, entre outros temas. Oferecendo consulta gratuita em diferentes idiomas, as páginas reúnem – além de textos – mapas, filmes a até gravações de áudio.

Foi-se o tempo em que era preciso gastar um bom dinheiro numa enciclopédia renomada e pesada.

Confira:

Bibliotheca Alexandrina – A Biblioteca de Alexandria está em processo de digitalização de seu conteúdo. A maior parte do material disponível está em árabe.

Encyclopaedia Britannica – Restrita ao ambiente virtual desde março de 2012, a enciclopédia oferece consultas ao conteúdo gratuitamente e também por meio de um serviço pago.

Biblioteca Nacional Digital de Portugal – O endereço virtual disponibiliza para consulta cerca de 24 mil obras em português e outras línguas.

Biblioteca Nacional Digital – A Bliblioteca Nacional tem um catálogo com mais de 25 mil itens digitalizados disponíveis para consulta.

Biblioteca Digital Mundial – Iniciativa da Unesco e da Biblioteca do Congresso dos EUA, o endereço virtual tem como propósito reunir conteúdo histórico de todas as regiões do mundo.

Projeto Gutenberg – Tem mais de 100 mil livros digitais que podem ser baixados e lidos em diferentes plataformas eletrônicas.

Biblioteca do Congresso dos EUA –A biblioteca digitaliza seu conteúdo desde 1994. No endereço estão disponíveis fotografias, manuscritos, mapas, filmes e gravações de áudio.

Wikipedia – Enciclopédia virtual mais famosa entre todas as listadas, reúne milhões de artigos em idiomas em inglês, francês e alemão e português.

Domínio Público – No ar desde 2004, reúne mais de 200 mil obras em português entre textos, imagens, vídeos e arquivos em áudio que – como o nome sugere – caíram em domínio público.

Perseus Digital Library – O projeto é especializado em material das culturas greco-romanas, mas também possui conteúdo de outros períodos históricos.

Open Library – Projeto que ambiciona criar uma página na internet para cada livro já publicado no mundo, já tem um acervo com 20 milhões de itens.

Internet Archive – Integrante da Open Library, é um projeto que tem como proposta armazenar todos os sites do mundo desde 1996.

Disponível em: <http://catracalivre.folha.uol.com.br/2012/09/consulte-enciclopedias-e-bibliotecas-virtuais-de-todo-o-mundo/>. Acesso em: 28 jan. 2013.

1 comentário

Arquivado em Notícias

Seminário Biblioteca Virtual: Oportunidade de acesso livre a informação RJ – Gratuito

O Centro de Estudos Estratégicos da Universidade da Força Aérea (UNIFA) realiza nos dias 29 e 30 de setembro de 2009, o Seminário “Reflexões e Estudos Estratégicos: Biblioteca Virtual – Oportunidades do Acesso Livre à Informação”.
É um evento nacional e gratuito, com a finalidade de ampliar e incentivar a discussão da Biblioteca Virtual como ferramenta de acesso ao fluxo mundial, a partir das Novas Tecnologias de Informação e alcançar com essa ação, o primeiro passo para efetivar a ferramenta no Campus da UNIFA.
A simples idéia de uma Biblioteca Virtual é o sinal para a mais ampla construção de parcerias, onde as trocas se farão de modo intenso, abrigando, também o mais amplo espectro de discussões e atualizações que o tema – Estudos Estratégicos – exige.
Contudo, ter êxito no objeto a alcançar exigirá o pleno conhecimento e domínio da ferramenta. Por isso, é importante a sua participação, neste evento, de experts e renomados profissionais e acadêmicos.

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos

Revista USP chega aos 20 anos

8/4/2009

Agência FAPESP – A nova edição da Revista USP, de número 80, marca os 20 anos da publicação da Universidade de São Paulo. O tema é “Bibliotecas Digitais/Bibliotecas Virtuais”.

A nova biblioteca: o papel e o digital, de Eliana de Azevedo Marques, do Sistema Integrado de Bibliotecas da USP, As bibliotecas digitais e a sociedade da informação: perspectivas para as bibliotecas digitais no Brasil, de Pedro Puntoni, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFLCH) da USP, e Afinal, o que é biblioteca digital?, de Luis Fernando Sayão, da Comissão Nacional de Energia Nuclear, são alguns dos artigos do dossiê da nova edição.

A revista também traz textos de assuntos diversos, como O aerólito e o zelo dos neófitos: Sérgio Buarque, crítico de poesia, de Vagner Camilo, da FFLCH, e Travessias, Cordisburgo e suas veredas, de Atílio Avancini, da Escola de Comunicações e Artes da USP.

Criada em 1989, por determinação do então reitor José Goldemberg, a revista tinha como missão representar a USP, sendo a única publicação do tipo que o nome da instituição no título. No primeiro número, em homenagem aos 200 anos da Revolução Francesa, a tiragem de 3 mil exemplares esgotou rapidamente e teve que ser reimpressa.

“A partir de um projeto editorial do primeiro editor da revista, Nelson Ascher – projeto que se mantém, em sua coluna dorsal, até hoje –, nascia uma publicação trimestral acadêmico-cultural, ensaística e multidisciplinar que buscou sempre, ao longo do tempo, não se fechar intramuros, aceitando apenas trabalhos de professores e pesquisadores uspianos, mas abrindo-se a todas as colaborações de qualidade, vindas dos quatro cantos do Brasil – e, conforme o caso, de autores estrangeiros, uma vez que inúmeros foram os textos traduzidos dados a público nessa longa caminhada”, destaca o editor Francisco Costa.

Segundo ele, a publicação, dirigida ao público universitário, tem a cada novo número a proposta de “construir um dossiê com um grupo de textos multidisciplinares, dentro de um grande tema, seja ele da área de humanidades, de ciências biológicas, ou de ciências exatas”.

Para o escritor Boris Schnaiderman, que fez parte do primeiro conselho constituído para a publicação, a Revista da USP não é especializada, mas tem seu lugar justamente entre todas as disciplinas. “É uma revista universitária, sem um público numericamente elevado, mas importante ao possibilitar uma discussão em nível elevado dos mais diversos assuntos”, disse ao USP Online.

Mais informações: http://www.usp.br/revistausp

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Biblioteca virtual européia reabre nesta terça-feira

A União Européia anunciou nesta terça-feira (23) a reabertura da biblioteca virtual Europeana, que havia saído do ar poucas horas após sua inauguração, na segunda quinzena de novembro. À época, o motivo dado a respeito do desligamento da biblioteca virtual foi o de que a página não suportou o acesso de 10 milhões de visitantes por hora.

O porta-voz da Comissão Européia, Martin Selmayr, disse que o website foi redefinido, a fim de que tivesse sua capacidade quadruplicada. Entretanto, o site diz que “o usuário pode não ter uma boa navegação nessa etapa de testes”, e que o “número de usuários pode ser limitado quando houver excesso de visitantes”.

Inspirado no mote da biblioteca de Alexandria –que desejava acolher todo o conhecimento mundial–, o projeto Europeana foi lançado com alarde no último dia 21 de novembro.

A biblioteca pretende tornar acessível em apenas um site o imenso patrimônio cultural de todos os acervos nacionais do continente, como livros raros, antigos ou cujas edições se esgotaram, pinturas, fotografias, músicas, manuscritos, mapas, jornais e documentos.

É possível acessar, por meio do site, obras literárias como “A Divina Comédia”, do escritor italiano Dante Alighieri, ou musicais, como as sinfonias do compositor erudito alemão Ludwig Van Beethoven.

A primeira etapa do projeto envolve dois milhões de obras de arte estão acessíveis na Europeana. O objetivo é incorporar mais oito milhões até 2010.

“Esperamos que novos materiais sejam inseridos no decorrer de fevereiro de 2009, mas no momento, estamos apenas monitorando o tráfego da biblioteca”, disse o porta-voz.

O site mantém uma equipe com 14 membros, e demanda custo anual de 2,5 milhões de euros (R$ 8,7 milhões).

Disponível

em: <http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2008/12/23/ult4738u18507.jhtm>.

 Acesso em: 23 dez 2008.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias