Arquivo da tag: biblioteca

3 livros sobre bibliotecas e a biblioteconomia | Karin Paredes

Biblioteca – Luis Milanesi https://amzn.to/2vXB5Uz

Biblioteca – Lizandra Estabel e Eliane Moro https://amzn.to/2PnHaSq

Introdução à Teoria Geral da Biblioteconomia – Ronaldo Vieira https://amzn.to/2BqfHN0

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Notícias

Biblioteca do CCBB reabre na próxima quarta-feira

RIO – Fechada no início de junho “por motivo de reorganização administrativa”, a Biblioteca do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) será reaberta na próxima quarta-feira, dia 22 de agosto, com mais quatro mil livros disponíveis para o público. Do total, dois mil foram doação do embaixador René Haguenauer. Outra boa notícia é que o acervo da videoteca foi integrado à biblioteca: a consulta pode ser feita no local, e o filme assistido na sala multimídia. Os equipamentos dos terminais de busca também foram trocados, e agora os visitantes têm 10 computadores disponíveis para pesquisa. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Pesquisadores brasileiros criam ‘biblioteca’ de ultrassons de morcegos com 65 espécies do país

Morcego Molossops temminckii, típico da América do Sul

DIVULGAÇÃO – Pesquisadores compilaram os sons emitidos por 65 especies de morcegos, entre eles o ‘Molosssops temminckii’

Munidos de sofisticados equipamentos de gravação, pesquisadores de quatro universidades brasileiras compilaram os sons de alta frequência (ultrassons) emitidos por 65 espécies de oito das nove famílias de morcegos encontradas no país. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Duas quenianas encaram o desafio de restaurar bibliotecas abandonadas

Apesar da deterioração da biblioteca McMillan, um importante edifício com colunata dos anos 1930, uma dezena de moradores de Nairóbi visita o local para desfrutar da calma e dos poucos livros disponíveis.

Em breve, estes moradores terão à disposição um novo espaço moderno e restaurado. Esse é o desafio da editora Angela Wachuka e da escritora Wanjiru Koinange, que trabalham na restauração de três bibliotecas da capital queniana, abandonadas há décadas. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Insalubridade em bibliotecas na legislação brasileira

O tema de insalubridade em bibliotecas no Brasil é discutido há vários anos. Pesquisando em sites e blogs de Biblioteconomia, localizei dois Projetos de Lei sobre o tema: PL 2361/2011 e PL 1511/2015. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Inscrição da corrida: 5 livros! Crianças participam e coletam 16.500 livros para transformar TREM EM BIBLIOTECA (Yellow Train School?s)

Do site Thehindu.com:

Quando o trem de número 92410 chegar ele já entrou para a história.

Mais de mil pessoas se reuniram no Cosmo Club, Race Course, usando seus babadores de maratona no domingo.  As crianças, os pais e até mesmo os avós se amontoaram conversando sobre ser um corredor de ouro, um corredor amarelo …

Uma placa pendurada em uma árvore já tinha um número: 16.500.

Houve uma excitação palpável no ar quando começaram a cantar,

“Abra um livro e você encontrará pessoas e lugares de todo tipo …”

A corrida

Desde as 5h30 da manhã grupos de corredores e até bebês estavam prontos.

“Não há concorrência. Não nos importa terminar primeiro. Todos estamos correndo para celebrar o nosso bogie preenchendo livros “, diz um grupo de meninas da 8ª série.

A escola iniciou a campanha em todo o mundo e recebeu livros de muitos países.

Em Coimbatore, crianças pediam as pessoas e a seus pais a inscrição da maratona com um mínimo de cinco livros.

“Meu irmão, minha irmã e eu fomos de casa em casa no meu bairro e colecionamos 300 livros”, disse Keshav Sriram, de 11 anos.

Toda a pista de corrida estava cheia de cartazes, slogans e muitos jingles.

As crianças tinham tanto a dizer como os pais. “Meu filho chegou em casa dizendo que haveria uma biblioteca em um trem exatamente como está em Totto Chan: A Little Girl by the Window”.

É tão inspirador ver a escola recriando uma cena de um livro, tornando realidade uma fantasia “, diz Bindhu Lakshmi.

Na maratona, os corredores mais jovens eram apenas três anos. Eles usavam seus babadores e correram um pouco. Então seus pais os pegaram e terminaram a corrida. “Isso é tão emocionante para nós. Queríamos fazer parte desta maravilhosa ideia “, afirmou Sindhya Karthik. Ela está feliz que seu filho pequeno tenha uma biblioteca especial para visitar. “Vamos ver o trem cheio de livros quando terminarmos de correr?”, Perguntou o pequeno.

Santhya Vikram, diretor do Yellow Train, descreve isso como um sonho tornado realidade. “Esta será uma manhã muito especial para os nossos filhos, cujas memórias serão vividas para sempre, contando e recontando para seus filhos e netos – de como um bogie chegou a sua escola uma manhã e se tornou uma biblioteca”.

92410 não é apenas um número mais. É o número do bogie que em breve se tornará a biblioteca especial do Coimbatore.

16.500 e crescendo

A escola coletou 16.500 livros para a biblioteca do Coimbatore através de inscrições para a corrida.

De clássicos como Charles Dickens através de escritores infantis como Enid Blyton e autores contemporâneos como Rick Riordon e Veronica Roth, todos os tipos de livros apareceram. Alguns doaram livros para crianças por autores indianos de editoras independentes.

“Eu dei 38 dos meus livros mais preciosos para a biblioteca, pois queria crianças e outros se beneficiarem da minha coleção”, diz Karuna Guruprasad, um dos pais.

A escola até marcou um dia para “depósito de livros”,e pode-se ver garotos empurrando carrinhos e voluntários estavam estacionados em todos os lugares. As pessoas vieram com malas, caixas e carregavam os carrinhos com livros.

A cada mil livros era foi anunciado com grande farra pela equipe de torcedores.

Quão reconfortante saber que os livros importam para as pessoas, pelo menos, neste canto do mundo!


Não importava mesmo a corrida, disse uma criança. Foto: thehindu.comDisponível em: <http://www.vozdocliente.com.br/noticiario/ler.php/17120027/>. Acesso em: 19 dez. 2017.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

As novas bibliotecas já não são templos

Três projetos internacionais revolucionam a gestão destes centros culturais

Dois jovens leem deitados na Biblioteca 10, em Helsinki (Finlândia).
Dois jovens leem deitados na Biblioteca 10, em Helsinki (Finlândia).

Na Biblioteca 10 de Helsinki é possível ler deitado na rede, fazer negócios, costurar à máquina, dançar, digitalizar formatos obsoletos, como fitas cassete e VHS, tocar guitarra ou tirar uma soneca. É possível fazer praticamente qualquer coisa que jamais se pensaria em fazer em uma biblioteca. E tudo porque seu diretor, Kari Lämsä, pensou que no novo mundo há pouco espaço para as velhas bibliotecas e um espaço enorme para as inovadoras: “Temos de redefinir o papel que desempenhamos. Temos de ajudar as pessoas, ser amigáveis, às vezes somos muito formais e oficiais. Temos de decidir junto com os usuários que materiais adquirimos e do que necessitam. Eu não vejo a biblioteca como uma sala de estar, mas como uma cozinha, onde cada um traz ingredientes e cada dia sai um cardápio diferente”. Eles disseram definitivamente adeus ao depósito de livros.

Lämsä conhece o negócio tradicional: começou colocando livros nas estantes. Mas o que chamou a atenção sobre ele é que se deu conta do futuro. “Tínhamos de mudar a ideia da biblioteca como um espaço passivo. Em vez de desenhar um espaço para se ter acesso a conteúdos, criamos um espaço para criar conteúdos”, explica, antes de apresentar o modelo da Biblioteca 10 a cerca de cinquenta bibliotecários ibero-americanos que participaram no READIMAGINE, seminário organizado pela Casa do Leitor em Matadero, em Madri, com o respaldo da Fundação Bill e Melinda Gates, para abordar projetos de inovação digital relacionados à leitura e aos livros.Lämsä, no entanto, conseguiu atrair essa faixa refratária a um espaço associado ao silêncio. O que o diretor demonstrou é que eles só rechaçam o modelo tradicional. “Cerca de 75% dos usuários vêm para outras coisas que não o empréstimo de materiais. Conseguimos atrair novos perfis, como trabalhadores autônomos, artistas ou artesãos.”

Um concerto na Biblioteca 10 de Helsinki.

Um concerto na Biblioteca 10 de Helsinki.
 ***

PAÍSES DESIGUAIS

Finlândia. Um país de leitores. Tem 5,5 milhões de habitantes e uma biblioteca pública, pelo menos, em cada um de seus 836 municípios. Em Helsinki, a capital, residem 600.000 pessoas, que têm à sua disposição 36 bibliotecas.

Estados Unidos. Há uma rede de mais de 9.000 bibliotecas públicas —chegam a 119.000 se se somarem as escolares, acadêmicas, militares e governamentais— para atender um gigante de 319 milhões de habitantes. Na Califórnia, onde se localiza San José (um milhão de habitantes), contam-se 181 bibliotecas públicas.

Alemanha. Com 82 milhões de habitantes (em Wuerzburg, localidade bávara, vivem 130.000 habitantes), o país tem 7.875 bibliotecas públicas.

Espanha. Há 4.771 bibliotecas públicas (53 estatais, 70 das regiões autônomas e as demais, municipais) para uma população de 46 milhões de habitantes.

***

O sucesso de Lämsä pode ser medido: a biblioteca recebe 2.000 usuários por dia em uma cidade com 600.000 habitantes e 36 bibliotecas. A metade de seus usuários tem entre 25 e 35 anos. É o sonho de qualquer bibliotecário, que observa como os grandes leitores que são as crianças fogem ao crescer. “É uma preocupação de quase todas as bibliotecas, que veem como as crianças deixam de frequentá-las quando chegam à adolescência”, afirma Luis González, diretor geral adjunto da Fundación Germán Sánchez Ruipérez.

Nesta década de vida, obtiveram vários reconhecimentos. O definitivo foi o reconhecimento do Governo da Finlândia, que abrirá em 2018 a nova Biblioteca Nacional seguindo seu modelo, depois de um investimento de cem milhões de euros. Kari Lämsä é um dos 20 bibliotecários emergentes escolhidos pela Fundação Bill e Melinda Gates dentro de seu programa de líderes globais. Nessa lista excelente de visionários que levaram a teoria para a prática, estão também a alemã Anja Flicker e Jill Bourne, considerada uma das 100 mulheres mais influentes do Silicon Valley.

Bourne dirige desde 2013 a biblioteca pública de San José, a décima cidade dos Estados Unidos, onde se concentram as famosas empresas de tecnologia. Em menos de dois anos, ela conseguiu convencer os políticos a aumentarem os fundos municipais para a instituição e as empresas a oferecerem – gratuitamente – seu conhecimento. “As empresas de tecnologia investem em inovação e desenvolvimento, não dão dinheiro, mas nós temos uma reputação e uma confiança do público que nos garante um valor agregado.”

Anja Flicker, Jill Bourne e Kari Lämsä, na Casa do Leitor, em Madri.
Anja Flicker, Jill Bourne e Kari Lämsä, na Casa do Leitor, em Madri. SAMUEL SÁNCHEZ
Depois que engenheiros do eBay desenvolveram gratuitamente um aplicativo para a biblioteca, novas empresas como Microsoft, PayPal e Google estão negociando algum tipo de colaboração. “O reconhecimento da biblioteca pública é um reconhecimento do valor do conhecimento. É preciso fazer os políticos enxergarem que isso é essencial”, defende Bourne, que conseguiu que em junho de 2014 fosse aprovado um imposto específico, pago pelos proprietários de imóveis, para financiar a biblioteca de San José.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias