Arquivo da tag: comunicação acadêmica

MIT lança Relatório sobre Comunicação Acadêmica e Ciência da Informação

Esta matéria é baseada na postagem de Lisa Peets intitulada MIT’s Grand Challenges Issues Final Report, no Library Journal Blog de Janeiro de 2019 [1].

Em março de 2018, as Bibliotecas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) organizaram uma cúpula de trabalho sobre os Grandes Desafios em Ciência da Informação e Comunicação Científica, convidando especialistas de todo o mundo para identificar problemas críticos em ciência da informação que pudessem ser resolvidos dentro de dez anos, com amplas implicações para toda a comunidade acadêmica. A Grand Challenges Summit consistiu em três workshops consecutivos que examinaram a descoberta acadêmica, curadoria e preservação digital, e academia aberta.

Após um período de revisão, em que as notas dos participantes da cúpula foram condensadas e refinadas em um rascunho público e os membros da comunidade foram incentivados a comentar e fornecer feedback, os resultados foram redigidos em um white paper final A Grand Challenges-Based Research Agenda for Scholarly Communication and Information Science.[2] O relatório foi lançado em 18 de dezembro de 2018.

O prefácio do white paper declara: “este relatório descreve uma visão para um futuro mais inclusivo, aberto, equitativo e sustentável para a academia; caracteriza as barreiras técnicas, organizacionais e institucionais centrais para esse futuro; descreve as necessidades das áreas de  pesquisa para avançar nesse futuro; e identifica vários problemas de pesquisa direcionados ao ‘grande desafio’ para a geração de conhecimento. ”É menos uma recapitulação da cúpula do que um esboço de áreas potenciais para mudança e os possíveis caminhos que podem colocar essas mudanças em ação na próxima década. “

Ainda segundo o Relatório, “Apesar da promessa contraditória das tecnologias de internet para a acessibilidade e a democratização, o ecossistema de conhecimento acadêmico de hoje e os ambientes de compartilhamento de informações são atormentados pela exclusão; iniquidade; ineficiência; elitismo; aumento de custos; falta de interoperabilidade; ausência de sustentabilidade e/ou durabilidade; promoção de interesses comerciais e não públicos; opacidade em vez de transparência; acumulação em vez de compartilhamento; e uma miríade de barreiras nos níveis individual e institucional em relação ao acesso e participação. Apesar, ou talvez por causa do leque de perspectivas representadas, os participantes da cúpula concordaram que a nossa visão comum era de um ambiente de informação global que assegurasse um acesso duradouro e aberto, acesso global equitativo e significativo ao consumo e à criação de conhecimento em suas diversas formas.

Essa visão requer a centralização de comunidades produtoras de conhecimento em todo o mundo em uma rede global de parcerias, onde todos trabalhamos em prol de um ecossistema de conhecimento acadêmico mais inclusivo, equitativo, confiável e sustentável – e um registro acadêmico durável e baseado em evidências.

A visão é criar uma infra-estrutura poderosa para apoiar comunidades locais e organizações onde as pessoas possam criar, compartilhar, avaliar, aprender e interpretar informações em pequenas e grandes escalas sem barreiras ou medo de perder conhecimento, a fim de apoiar os estudos acadêmicos em andamento. Alcançar essa visão exigirá enfocar não apenas os sistemas e processos existentes de compartilhamento e produção de conhecimento, e reconhecer como alguns participantes e formas de conhecimento são atualmente privilegiados mas também avaliar criticamente interesses institucionais que contribuem para o estado atual.” 

VISÃO PARA BIBLIOTECAS

O conceito da cúpula teve origem no relatório do MIT sobre o Futuro das Bibliotecas, lançado em outubro de 2016. A força-tarefa de 30 pessoas, organizada pela diretora de bibliotecas do MIT, Chris Bourg, reuniu informações sobre como as Bibliotecas do MIT devem evoluir e alcançar sua visão como plataformas globais abertas para o conhecimento, e servir como líderes na reinvenção da biblioteca acadêmica de pesquisa. Das recomendações na conclusão do relatório, a final afirmou: “As bibliotecas devem se tornar um centro de pesquisa e desenvolvimento, alimentando a experimentação ousada e novas respostas aos grandes desafios enfrentados pelas bibliotecas de pesquisa e pela comunicação acadêmica”.

“As universidades de pesquisa estão entre as instituições humanas mais longevas. Bibliotecas universitárias e arquivos de pesquisa são amplamente confiáveis ​​como administradores permanentes do registro acadêmico e base de evidências científicas dentro dessas instituições, e as bibliotecas e arquivos possuem perícias e infraestruturas altamente refinadas para organização, disseminação e preservação do conhecimento. Além disso, os grandes desafios identificados acima provavelmente serão resolvidos apenas por meio de uma abordagem interdisciplinar. As bibliotecas são, por design, interdisciplinares e, na prática, confiáveis ​​como corretores honestos de conhecimento.”

Em outras palavras, Bourg afirmou: “A força-tarefa percebeu que, ao tentar projetar uma futura biblioteca e um futuro para comunicações acadêmicas, há muitas perguntas não respondidas – há pesquisas necessárias para tomar decisões inteligentes sobre o caminho a seguir”. esse processo precisaria começar com um evento que trouxesse vozes de fora do MIT, a partir de uma gama diversificada de perspectivas e conhecimentos. (Bourg vinha defendendo esse tipo de indagação desde o início de seu trabalho no MIT há quase cinco anos).

Grande parte da discussão da cúpula envolveu a necessidade de examinar e desmantelar preconceitos preexistentes quando se tratava de como a informação é produzida, organizada, acessada, reunida, administrada e curada. “Quem são as pessoas que estamos procurando alcançar com nossas informações? – é uma parte crítica de todos esses esforços“.

A versão final do relatório dos Grandes Desafios expõe detalhadamente os desafios, visões e recomendações necessárias para criar um ecossistema de conhecimento acadêmico mais inclusivo, aberto, equitativo e sustentável. Uma área crítica para que essas mudanças ocorram é o papel das bibliotecas e arquivos como defensores e colaboradores . O relatório afirma, “Bibliotecários e arquivistas como profissionais, e bibliotecas e arquivos, como instituições, podem ir além da defesa de direitos para contribuir e colaborar para alcançar os desafios. Além disso, essas organizações podem atuar como agentes diretos de mudança ”.

== Referências ==

[1] PEET, Lisa. MIT’s Grand Challenges Issues Final Report. Library Journal Blog, Jan 24, 2019. Disponível em: https://www.libraryjournal.com/?detailStory=MIT-Grand-Challenges-Issues-Final-Report Acesso em: 28 jan. 2019.

[2] MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY (MIT). A Grand Challenges-Based Research Agenda for Scholarly Communication and Information Science. Cambridge, MIT 2018. Disponível em: https://grandchallenges.pubpub.org/pub/final Acesso em: 28 jan. 2019.

Disponível em: <http://www.sibi.usp.br/?p=31432>. Acesso em: 13 fev. 2018.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias