Arquivo da tag: CRAI

Presidente da Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica visita as instalações do SDO

No final da tarde de terça-feira, 24 de setembro de 2019, a FOUSP recebeu a visita do Presidente da Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica, Prof. Dr. Jackson Cioni Bittencourt. A fim de conhecer a estrutura do local, o Presidente foi recebido pelo Diretor Prof. Dr. Rodney Garcia Rocha, pelo Prof. Dr. Rogério Nogueira de Oliveira membro da Comissão da Biblioteca e pela Chefe Técnica do Serviço de Documentação Odontológica Sra. Lúcia Maria Sebastiana Verônica Costa Ramos, esteve presente também nesta visita o bibliotecário da Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica o Sr.  Laucivaldo Cardoso de Oliveira.

O objetivo da visita foi conhecer a estrutura organizacional e os produtos e serviços oferecidos pelo SDO, bem como os projetos de inovação que estão sendo desenvolvidos para melhor atender à comunidade acadêmica e científica.

O Serviço de Documentação Odontológica é reconhecido pela qualidade de seu acervo e por ser considerada a maior biblioteca na área de ciências odontológica da América Latina. Após as apresentações formais, o grupo se dirigiu ao local onde foi apresentado  o projeto CRAIfousp – Centro de Recursos para a Aprendizagem e Investigação baseado no modelo da declaração de Bolonha de 1999, desenvolvido pelo Prof. Dr. Moacyr Domingos Novelli, pela Sra. Lúcia Maria Sebastiana Verônica Costa Ramos e pelo analista Robson Brandão.

Os CRAIs são espaços criados junto às bibliotecas, onde são disponibilizados recursos tecnológicos aos usuários, para facilitar a investigação e a experimentação de assuntos oriundos do imaginar científico. O espaço agrega um projeto que propõe modificações gradativas na forma de ensinar a arte e a técnica da odontologia, colocando à disposição dos alunos de graduação da FOUSP laboratórios experimentais, destinados ao desenvolvimento de atividades práticas paralelas às atividades curriculares já existentes nos cursos diurno e noturno.

O foco é o desenvolvimento de modelos didáticos em odontologia voltados ao incremento das habilidades manuais, tendo como base um suporte teórico não abordado no currículo normal da graduação. O espaço é acessado livremente pelos alunos de graduação para despertar o raciocínio científico e interagir com professores e pesquisadores, constituindo um centro de produção científica gerada pela atividade didática.

Este projeto tem como objetivo conciliar ensino e pesquisa que implica em transmitir conhecimentos de pesquisas que contribuam para a evolução da ciência e a formação de seus alunos para a cidadania com suas especialidades. Em termos práticos isso significa ter espaços laboratoriais para experimentações e bibliotecas para acumular e organizar o conhecimento que, até então, apresenta-se com notória dicotomia física de ambientes por assim entendermos como conveniente para as práticas acadêmicas.

Com instalações laboratoriais anexas à biblioteca que permitem materializar conceitos como o de Redes Colaborativas, conhecimentos multi e interdisciplinares e processos criativos de investigação .Esta interdisciplinaridade e integração com outras unidades tem sido o principal foco na nova Agência USP da Informação Acadêmica.

O Prof.Dr. Moacyr apresentou também o anteprojeto Inteligência artificial para atendimento clínico odontológico  que está desenvolvendo junto com o analista Robson Brandão do SDO.

Na sequência, o Presidente conheceu os acervos I e II da Biblioteca, a sala de restauro, a de obras especiais e obras raras datadas de 1800, a gráfica e a sala de desbaste, e também a participação ativa do  Serviço de Documentação Odontológica na disciplina de Metodologia Científica onde bibliotecários com especialização, mestrado e doutorado ministram as aulas.

O objetivo principal da disciplina é capacitar o aluno na elaboração do trabalho científico, apresentando as fontes de informação qualificadas para apoio na recuperação dos textos científicos. São abordados temas como a pesquisa na universidade, os tipos de trabalho científico, a definição do tema e da pergunta de pesquisa, o acesso à informação especializada em odontologia, consulta às bases de dados, Terminologia em Odontologia, EndNote, estrutura do artigo científico, normalização técnica, ética em publicações, plágio e outros assuntos referentes às publicações científicas.O SDO ministra Treinamento nas bases de dados PUBMED, BVS, PORTAL CAPES, SCOPUS entre outras e a Capacitação no  Endnoteweb (Gerenciador de Referências) para os usuários.

Para finalizar, a bibliotecária falou da  Rede BVS odontologia Brasil que é um projeto que surgiu a partir da Rede do Sistema de Informação Especializado da Área de Odontologia.

Desde 1991, O Serviço de Documentação Odontológica da USP (SDO/USP) vem coordenando as atividades da “Sub-Rede Nacional de Informação na Área de Ciências da Saúde Oral”, através de projeto firmado entre W. K. Kellogg Foundation, Faculdade de Odontologia da USP e a BIREME que surgiu com a missão de contribuir para o desenvolvimento da odontologia no Brasil, por meio da promoção do uso da informação técnico-científica.

A Rede atua como um dos pilares no âmbito da disseminação da informação científica, por ser uma rede de informação especializada em odontologia integrada a dezessete bibliotecas universitárias de norte a sul do país com grande potencial de atuação junto aos pesquisadores e acadêmicos em âmbito nacional e internacional.

A BVS Odontologia Brasil, por sua vez, pode ser entendida como a instância que possibilita o acesso a informação para atender às necessidades de um grupo social ou da sociedade em geral, através da administração do seu patrimônio informacional e do exercício de uma função educativa, ao orientar os usuários na utilização da informação. Sendo esta considerada referência nacional em informação odontológica não se pode ignorar que um dos traços marcantes da atualidade é a transformação veloz da própria natureza do conhecimento científico e tecnológico tendo seus reflexos cada vez mais visíveis no mundo atual, o que reflete nas universidades e nas bibliotecas integrantes da Rede BVS Odontologia Brasil, nova postura de atuação, resultando na necessidade da criação da BVS Odontologia Brasil, integrando novos recursos de informação e comunicação, e reconvertendo os papéis dos diferentes atores reais e virtuais no processo de ensino-aprendizagem.

Atualmente o SDO conta com 18 funcionários e  é composto por uma chefia técnica e três serviços assim dispostos: Serviços de Tratamento da Informação,Serviço de Assistência e Divulgação Técnico-Científica, Serviço de Informação Documentária e Circulação.

Disponível em: http://www.fo.usp.br/?p=49581. Acesso em: 30 set. 2019.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

SNBU 2016 – Dia 17/10/16

No segundo dia do SNBU 2016, cujo eixo temático foi “Gestão sustentável”, acompanhei a conferência “Gestão da Biblioteca Universitária frente às Demandas do Contexto Contemporâneo”, proferida por Pedro Miguel Estácio dos Santos, diretor da biblioteca de Letras da Universidade de Lisboa.

Diferentemente do Brasil, as bibliotecas universitárias portuguesas funcionam autonomamente, e não vinculadas a um sistema central. A Faculdade de Letras possui, atualmente, cerca de 3000 alunos e 250 docentes e investigadores, além de 90 não docentes. Sua biblioteca realiza por volta de 60000 empréstimos por ano, promoveu 50 eventos culturais em 2015 e possui um orçamento médio de 100000 euros por ano. A equipe da biblioteca é composta por 1 dirigente (bibliotecário), 7 bibliotecários, 6 assistentes de biblioteca, 1 técnico superior (área cultural), 2 assistentes administrativos e bolsistas e voluntários, cujo número é variável.

Apresentado esse contexto, Santos esclareceu que embora a Universidade de Lisboa  seja pública, ela adota o modelo de gestão empresarial, mas adaptado para o setor público, por isso, o orçamento varia em função da produtividade da biblioteca. Nesse contexto, o bibliotecário deve convencer o gestor da universidade que a biblioteca não seja vista como despesa financeira porque seu retorno não pode ser medido monetariamente. Diante disso, Santos apresentou três desafios que nortearam sua fala: capacitar gestores, capacitar e motivar equipes e capacitar os usuários.

No que diz respeito à capacitação de gestores, o palestrante comentou que as mudanças atuais envolvem, dentre outros aspectos, fatores políticos, sociais (aumento da pobreza) e tecnológicas (novas plataformas de comunicação e novas ferramentas para organização e representação da informação, por exemplo). Além disso, destacou: a avaliação dos impactos no cumprimento da missão das bibliotecas universitárias; a contração orçamental (também vivida pelas bibliotecas universitárias portuguesas na atualidade); comunicar, implementar e gerir a mudança; posicionar-se conforme a visão da universidade e dos usuários; avaliar e comunicar resultados (publicação de indicadores estatísticos de desempenho); competências (segundo a Library Leadership & Management Association – LLAMA, algumas são: comunicação, gestão da mudança, constituição e desenvolvimento de equipes, cooperação e inteligência emocional); e aptidões (conforme propostas pela European Council of Information Association em 2004, por exemplo, relacionamento e organização. Algumas das ideias a reter desse desafio são, dentre outras: ser gestor de uma biblioteca universitária é um full time job, assim como a gestão da bibliotecas universitária requer gestores profissionais, bem como um modelo de gestão.

Nos desafio dois e três, respectivamente, capacitar equipes e capacitar usuários, Santos não se aprofundou nos tópicos, pois apresentou esses tópicos de forma diluída em outros momentos. No que diz respeito à capacitação de equipes, destaquei a identificação das áreas de atuação dos membros e suas competências, anteriormente citadas, das quais ressalto a aplicação do direito da informação, além da mobilidade funcional, que é a adequação do perfil à função. Em relação ao terceiro desafio, basicamente o palestrante apresentou algumas recomendações para bibliotecas universitárias portuguesas propostas pelo GT-BES/BAD, como editoração, repositórios, criação de serviços de apoio à gestão de dados científicos e parcerias, além de indicadores, como a aquisição de livros por ano, empatia no atendimento e resposta adequada ou não.

A palestra seguinte, proferida por Adelaida Ferrer Torrens, tratou do “Centro de Recursos para a Aprendizagem e Pesquisa (CRAI)” na Universidade de Barcelona, que atualmente possui 27 bibliotecas e 240 pessoas trabalhando nelas. Inicialmente, Ferrer Torrens destacou algumas ideias importantes que foram discutidas ao longo de sua fala: a biblioteca é o coração da universidade; o ritmo com que ocorrem mudanças; a principal missão da biblioteca é facilitar o acesso à informação; para oferecer serviços e produtos é importante colaborar e cooperar; criar sinergias; o bibliotecário deve ter um perfil integrado, isto é, integrar grupos de pesquisa, departamento e outros setores da universidade; trabalhar com processos padronizados. Nesse contexto, a palestrante explicou que o impacto da biblioteca universitária ocorre, entre outras situações, na valoração dos rankings universitários, na promoção da ALFIN (Alfabetização Informacional), contribuindo para o sucesso acadêmico dos usuários, e na melhora da qualidade da docência.

No que se refere à questão da mudança de uma biblioteca reativa para uma no modelo CRAI, ela ocorre em alguns aspectos, tais como: a projeção da docência e da investigação no meio social como difusoras do conhecimento; imersão em um undo mundo digital; o aluno enquanto ator central do processo formativo; o professor como facilitador; a extensão do processo educativo ao longo da vida; transmissão de valores e saber à sociedade; e a ascensão de tecnologias (Moodle, MOOCs, open access, software livre, dentre outras). Em relação ao perfil dos usuários do século XXI, a palestrante apontou que atualmente são mais analíticos e exigentes, além de solicitarem serviços em todos os lugares, ou como também são conhecidos, 24/7. Enfim, a biblioteca como CRAI envolve equipe (bibliotecários, informáticos, especialistas em recursos audiovisuais) e serviços (capacitação pedagógica, empréstimos de outros materiais além dos bibliográficos, direitos autorais, propriedade intelectual, serviços para pessoas com deficiência, MOOCs e salas para docência) e, assim, contribui para a missão da universidade e a formação docente.

Na sequência, a Prof. Marta Lígia Pomim Valentim (UNESP) apresentou a palestra “A Perspectiva da Gestão Inovadora da Biblioteca Universitária”. No início, Valentim discorreu sobre indicadores do Índice Global de Inovação 2016 com ênfase naqueles voltados para educação, como instituições, capital humano e pesquisas, infraestrutura, saídas criativas (ativos intangíveis, bens e serviços criativos, criatividade online). O indicador capital humano e pesquisas foi destacada como importante para as bibliotecas universitárias, haja vista que apresenta dados como gasto por aluno, matrículas no nível superior, pesquisadores em tempo integral, dentre outros). A palestrante também apresentou autores que trabalham com o tema, como Ada Scupola e Ronald Jantz, além de um evento internacional relacionado, o 2nd International Conference on Leadership and Innovative Management in Academic Libraries in the Age of New Technology.

Como características de uma biblioteca universitárias inovadora, Valentim apontou vários itens, a saber: a necessidade de discutir sobre os direitos autorais e copyleft, haja vista que o tema está sendo debatido em nível internacional atualmente, em especial as limitações e exceções para bibliotecas e arquivos; a bibliotecas universitária movimenta o mercado e é seu refém, porém, essa posição diminui à medida que são criados repositórios institucionais; produção de conteúdo (a biblioteca deve torná-lo disponível); o estabelecimento de uma política institucional de preservação digital; democratização do conhecimento; implantação do RDA (novos conteúdos e suportes); adoção da web semântica, folksonomias e taxonomias; uso de biometria; adoção do RFID; uso de OPACs e repositórios institucionais; capacitação de usuários por meio de ferramentas de ensino à distância; tecnologias de digitalização; tecnologias 3D para obras raras (atualmente em uso na Biblioteca Estadual da Baviera, na Alemanha); desenvolvimento da competência em informação; tecnologias assistivas; LIBRAS; e definição de planejamento (estratégico, tático e operacional).

No período da tarde, além de visitar a feira de produtos, assisti os seguintes trabalhos:

Segurança, gerenciamento e automação de bibliotecas: vantagens e críticas aos recursos de autodevolução de materiais bibliográficos
Nivaldo Calixto Ribeiro, Márcio Barbosa de Assis e Taciele Jamila Mori

O trabalho foi apresentado por Nivaldo, que relatou a experiência da Universidade Federal de Lavras (UFLA) no uso da tecnologia RFID para autodevolução. Basicamente, ele apresentou as vantagens dessa tecnologia, como liberação de funcionários para outra atividades, monitoramento da quantidade de itens devolvidos, mobilidade e autonomia do usuário, e desvantagens, como danos causados pela queda do livro, custo elevado (por volta de R$515 000 para o equipamento completo: antenas, leitores de RFID, software, desenvolvimento de aplicativo, sistema de comunicação, dentre outros itens).

Foi interessante o comentário do Nivaldo que além da mudança provocada pela tecnologia, ela também motivou maior atenção à obra no momento da devolução antes do encaminhamento para as estantes. Como muitas obras estavam sendo danificadas dependendo da forma como caíam na esteira da autodevolução, agora o estado de conservação das obras é avaliado por funcionários caso precisem de reparo.

O uso de indicadores de desempenho da ISO 11620 para avaliar bibliotecas universitária
Elaine Cristina Tomás Pimenta e Thalmo de Paiva Coelho Junior

Confesso que desconhecia (ou não lembrava) da norma ISO 11620, que propõe indicadores para avaliação de bibliotecas. É muito aplicada nos Estados Unidos, mas no Brasil Elaine localizou apenas três trabalhos sobre o assunto. A última versão da norma é de 2014 e possui 52 indicadores. O formato padrão dos indicadores possui os seguintes elementos: nome, objetivo, âmbito, definição do indicador, método, interpretação, fonte e indicador relacionado.

Dessa forma, percebe-se que o nível de detalhamento possibilitado pelos indicadores contribui para ajudar no diagnóstico da biblioteca, na determinação da alocação de recursos, no apontamento de pontos fortes e fracos, além de medir o uso do serviços e detectar baixa produtividade e, assim, descobrir como combatê-la.

O desenvolvimento de competências em informação em ambientes virtuais de aprendizagem: uma proposta experimental
Daniel Cerqueira Silva

Infelizmente quando entrei no Salão Rio Negro para assistir este trabalho, a apresentação já estava avançada, mas foi possível acompanhar parte do relato do Daniel sobre a proposta apresentada.

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos, Notícias