Arquivo da tag: informação digital

Aula inaugural de especialização do DCI será dia 2/2

No dia 2, acontece a aula inaugural do curso de especialização “Informação em Ambientes  Digitais”, organizado pelo Departamento de Ciência da Informação (DCI) da UFSCar. O evento ocorre no anfiteatro da Reitoria da UFSCar, localizado na área Sul do
campus São Carlos e conta com palestras que abordam os recursos e acessos a dados em ambientes digitais e as demandas pelos profissionais nas áreas de tecnologia da informação e comunicação, além da presentação dos docentes que atuam no curso. A abertura ocorre a partir das 8 horas e todos os interessados podem participar, sem a necessidade de inscrições prévias.

A especialização visa capacitar profissionais para lidar com decisões e práticas relativas a aspectos que envolvem o ambiente digital e é voltada para profissionais e pesquisadores que demandam por informações especializadas voltadas às novas formas de organização, tratamento e gestão da informação digital. O curso oferece disciplinas que englobam dimensões das novas configurações da produção, tratamento e recuperação da informação digital e seus usuários, além de oferecer conteúdos e práticas relacionadas à preservação de
diferentes tipos de conteúdos digitais. Mais informações podem ser obtidas no site do curso.

Para mais informações sobre a programação da aula inaugural pelo email sec.infodigital@ufscar.br ou pelo telefone (16) 3351-9466,
e sobre a especialização pelo site.

Disponível em: <http://www2.ufscar.br/servicos/noticias.php?idNot=5373>. Acesso em: 31 jan. 2013.

2 Comentários

Arquivado em Curso, Notícias

Pós-graduação – Gestão da Informação Digital

Porque escolher este curso

Os cursos de pós-graduação lato sensu em Ciência da Informação da EPG/FESPSP são correlacionados e contam com disciplinas interligadas, permitindo ao aluno uma noção clara do seu aprendizado, desde os elementos gerais até os mais específicos, construindo seu conhecimento de forma estruturada e paulatina, de acordo com suas necessidades pessoais e profissionais.

Os cursos contam com forte embasamento teórico e com aulas práticas, onde o aluno poderá vivenciar a aplicação dos conceitos, permitindo um aprendizado mais efetivo e motivador.

Profa. Dra. Valéria Martin Valls

Coordenação
Profa. Dra. Valéria Martin Valls
Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP e Bacharel em Biblioteconomia e Documentação pela ECA-USP. Coordenadora da FaBCI/FESPSP e dos cursos de pós-graduação (Núcleo de Ciência da Informação) da EPG-FESPSP. Docente externa do PPGCI da ECA/USP. Consultora e palestrante em Gestão (Qualidade, Informação e Conhecimento).
Informações gerais

Turmas:

Núcleo Comum: Segundas e Quartas, das 19h00 às 22h30.

Núcleo Específico: Terças e Quintas, das 19h00 às 22h30.

Núcleo Optativo: Oferecido de Segunda a Sexta, das 19h00 às 22h30.

Duração: 1 ano e meio
Valor mensalidade: R$ 612,05

Valor da mensalidade para pagamento até o último dia útil do mês anterior ao vencimento R$ 581,45 (5% de desconto).

Disponível em: <http://www.fespsp.org.br/pos/cursos_bib_gid_01.html>. Acesso em: 8 dez. 2012.

Deixe um comentário

Arquivado em Curso de Pós-Graduação

Pós-graduação – Especialização Informação em Ambientes Digitais

Cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu são direcionados à área de exercício profissional, tanto do docente como de outros profissionais inseridos no mercado de trabalho, na perspectiva de educação continuada. O curso de especialização Informação em Ambientes Digitais tem carga horária mínima de 360 horas, não computando o tempo destinado à elaboração de monografia de conclusão de curso. As instituições credenciadas pelo Ministério da Educação (no caso das instituições federais) tem autonomia para oferecer cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu nas áreas em que possuem competência acadêmica instalada. Nesse sentido, o curso de Informação em Ambientes Digitais foi autorizado pela Pró-Reitoria de Extensão da UFSCar. O curso de especialização Informação em Ambientes Digitais tem validade nacional por obedecer integralmente à Resolução CNE/CES nº 1, de 8 de junho de 2007.

O Curso:

Contemporaneamente, as organizações defrontam-se com a realidade de geração, uso, reuso, tratamento e disseminação de informações em ambientes digitais. Além disso, muitas organizações se encontram numa situação da necessidade urgente de tomada de decisão em relação aos acervos e arquivos existentes em formatos físicos; especificamente, se estes deveriam ser digitalizados ou não. Surge, então, uma consciência crescente em torno do reconhecimento da necessidade de se planejar a sustentabilidade digital, a qual começa com políticas efetivas e estratégicas, mais de que com soluções técnicas.
Diante deste cenário, o curso de especialização Informação em Ambientes Digitais visa capacitar profissionais para lidar com decisões e práticas relativas a aspectos que envolvem o ambiente digital. Para tal, o curso oferecerá disciplinas que englobam variadas dimensões das novas configurações da produção, tratamento e recuperação da informação digital e seus usuários, além de oferecer conteúdos e práticas relacionadas à preservação de diferentes tipos de conteúdos digitais.

Público alvo:

Bibliotecários, arquivistas, curadores, jornalistas e servidores de instituições e órgãos públicos, privados e do terceiro setor que trabalhem com informação digital.
Profissionais e pesquisadores que demandam por informações especializadas voltadas às novas formas de organização, tratamento e gestão da informação digital.
Gestores de organizações públicas e privadas que buscam o aprimoramento das competências informacionais em ambiente digital.

Objetivos:

O Curso se propõe a capacitar profissionais e pesquisadores para lidar com a produção, organização e uso da informação digital em instituições do setor público, privado e do terceiro setor, agilizando rotinas de trabalho e pesquisa, e potencializando processos para tomada de decisão e inteligência competitiva, entre outros benefícios. Os objetivos específicos do curso são:
Especializar a formação de profissionais e pesquisadores sobre as melhores práticas, metodologias e políticas atuais relacionadas à produção, tratamento, organização e recuperação da informação em ambiente digital seja em ambiente institucionalizado público ou privado, ou em rede.
Oferecer aos participantes a oportunidade de se capacitar em recursos, softwares, sistemas e rotinas relacionadas ao gerenciamento do fluxo da informação digital, com fins de otimizar sua recuperação e uso para a tomada de decisão, considerando no entanto, as possibilidades e viabilidade de se estabelecerem políticas de acesso, organização, preservação e uso de conteúdos digitais.
Especializar a formação de profissionais e pesquisadores sobre as melhores práticas, metodologias e políticas atuais relacionadas ao diagnóstico, identificação, mapeamento, intervenção e armazenamento da informação em ambientes digitais.

Pré-requisitos:

Ser portador de diploma de curso superior.

Coordenação:

Profa. Dra. Ariadne Chlöe Mary Furnival

Vice-coordenação:

Profa. Dra. Zaira Regina Zafalon

Maiores informações

http://www.infodigital.ufscar.br/index.php

Disponível em: <http://www.dci.ufscar.br/news/pos-graduacao-especializacao-informacao-em-ambientes-digitais>. Acesso em: 4 dez. 2012.

4 Comentários

Arquivado em Curso de Pós-Graduação

Emulador universal salva informação digital para futuras gerações

Redação do Site Inovação Tecnológica
03/03/2009

Quem gosta de jogos de computadores mais antigos costuma ter uma coleção de emuladores quase tão grande quanto a própria coleção de games. Isso acontece porque cada emulador é específico para uma plataforma, tanto de origem quanto de destino – um emulador que lhe permite hoje jogar Space Invaders no PC não o permitirá fazê-lo nas plataformas do futuro.

Emulador universal

Pensando nisto, um grupo de pesquisadores europeus começou um projeto mais ambicioso: eles estão construindo um emulador universal, um programa capaz de reconhecer e rodar todos os tipos de arquivos de computador já gerados até hoje,

O emulador universal reconhecerá os dados antigos nos computadores atuais e poderá ser facilmente atualizável para rodar nas novas arquiteturas de informática que ainda serão desenvolvidas no futuro.

O projeto foi batizado de Keep, a palavra em inglês para manter. O termo é também um acrônimo para Keeping Emulation Environments Portable – mantendo os ambientes de emulação portáveis.

Herança digital

O objetivo do Keep é garantir o acesso das futuras gerações a todos os arquivos digitais já produzidos e que serão produzidos doravante, incluindo arquivos de texto, som, imagens, multimídia, sites, bases de dados e videogames.

“As pessoas não pensam duas vezes ao salvar seus arquivos digitalmente – das fotos capturadas com o celular até arquivos com informações governamentais. Mas cada arquivo digital corre o risco de ser perdido, seja pela degradação da mídia, seja porque a tecnologia usada para lê-lo irá simplesmente deixar de existir,” diz a professora Janet Delve.

“As antigas gerações deixaram um rico acervo de livros, cartas e documentos que nos dizem quem eles foram, como eles viveram e o que eles descobriram. Há um risco real de que nós possamos deixar como herança um espaço em branco na história,” diz ela.

Escribas digitais

Um emulador universal pode ser a única opção para evitar essa perda de informações. Copiar todas os dados gerados para nas novas plataformas, à semelhança de escribas digitais modernos, é impraticável – calcula-se que em 2010 a informação digitalizada será equivalente a 18 milhões de vezes o conteúdo de todos os livros já escritos desde o início da civilização.

Além da dificuldade técnica, a simples cópia coloca riscos adicionais, tanto de erros nas cópias quanto de danos às mídias originais.

“A diferença com a emulação é que você está livre desses problemas. Cada vez que o hardware, o software, os sistemas operacionais ou qualquer outra coisa seja atualizada, a máquina Keep simplesmente emulará esta nova plataforma. Será um mecanismo à prova de futuro,” diz Dan Pinchbeck, outro membro do grupo.

Os trabalhos do projeto Keep começaram em janeiro e deverão se estender até 2012.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias